Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS

Página 337
As formações secundárias são mais intermitentes; mas, como observou Bronn, nem o aparecimento nem o desaparecimento das suas muitas espécies, hoje extintas, foi simultâneo em cada formação distinta.

As espécies de diferentes géneros e classes não se modificaram ao mesmo ritmo ou no mesmo grau. Nas camadas terciárias mais antigas continua a poder-se encontrar, entre uma multidão de formas extintas, alguns moluscos que ainda hoje existem. Falconer deu um exemplo impressionante de um facto análogo, num crocodilo existente, associado a muitos mamíferos e répteis estranhos e extintos, nos depósitos sub-himalaicos. A língula silúrica pouco difere das espécies deste género que ainda vivem; ao passo que a maioria dos outros moluscos silúricos e todos os crustáceos se modificaram imenso. As produções terrestres parecem modificar-se a um ritmo mais veloz que as marinhas, das quais se observou recentemente um impressionante exemplo na Suíça. Há alguma razão para crer que os organismos considerados superiores na escala da natureza se modificam mais rapidamente do que os inferiores: embora haja excepções a esta regra. A quantidade de modificação orgânica, como observou Pictet, não corresponde estritamente à sucessão das nossas formações geológicas; pelo que entre cada duas formações consecutivas, as formas de vida raramente sofreram exactamente o mesmo grau de modificação. Porém, se compararmos quaisquer formações, à excepção das mais intimamente próximas, descobriremos que todas as espécies sofreram alguma modificação. Uma vez que uma espécie desaparece da face da Terra, temos razões para crer que a mesma forma idêntica nunca reaparece. A mais forte excepção aparente a esta regra é a das chamadas «colónias» de Sr. Barrande, que se introduzem

<< Página Anterior

pág. 337 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 337

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site