Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 15: CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO

Página 492
grupos fragmentados e em declínio de seres orgânicos; mas observamos tantas gradações estranhas na natureza, como proclama o cânone «Natura non facit saltum», que devemos ser extremamente cuidadosos ao afirmar que qualquer órgão ou instinto, ou qualquer ser inteiro, não poderiam ter chegado ao seu estado presente através de muitas etapas graduais. Tem de se admitir que há casos de especial dificuldade na teoria da selecção natural; e um dos mais curiosos é a existência de duas ou três castas definidas de operárias ou fêmeas estéreis na mesma comunidade de formigas; mas procurei mostrar como se pode dominar esta dificuldade.

No que se refere à quase universal esterilidade das espécies quando cruzadas pela primeira vez, a qual forma um contraste tão notável com a quase universal fertilidade das variedades quando cruzadas, tenho de remeter o leitor à recapitulação dos factos apresentados no final do Capítulo VIII, que me parecem mostrar conclusivamente que esta esterilidade é tanto uma dotação especial como o é a incapacidade de duas árvores para serem mutuamente enxertadas; mas que depende de diferenças constitutivas nos sistemas reprodutivos das espécies entrecruzadas. Vemos a verdade desta conclusão na vasta diferença de resultado, quando as mesmas duas espécies são reciprocamente cruzadas; isto é, quando uma espécie é primeiro usada como pai e então como mãe.

A fertilidade das variedades quando entrecruzadas e da sua prole mista não pode ser considerada universal; tão-pouco a sua muito geral fertilidade é surpreendente quando relembramos a improbabilidade de uma ou outra das suas constituições ou sistemas reprodutivos terem sofrido modificações profundas. Além disso, a maior parte das variedades com as quais se fez experiências foram produzidas sob domesticação; e como a domesticação aparentemente tende a eliminar a esterilidade, não devemos esperar também que produza esterilidade.

<< Página Anterior

pág. 492 (Capítulo 15)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 492

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site