Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
> > > Página 237

Capítulo 18: Capítulo XVIII

Página 237
Todo trabalho sujo era feito pelos políticos.

Havia um contínuo fluxo e refluxo de presos de todo gênero: vendedores de entorpecentes, ladrões, bandidos, mercadonegristas, bêbados, prostitutas. Alguns bêbados eram tão violentos que os companheiros de cela tinham de juntar forças para dominá-los. Uma mulheraça de uns sessenta anos, de enormes seios como pêndulos, e grossas melenas de cabelo branco esgrouviado, foi levada para a cela, gritando e dando pontapés, por quatro guardas que a seguravam pelos braços e pernas. Arrancaram as botinas com que ela tentara atingi-los e jogaram-na no colo de Winston, quase quebrando seus fémures. A mulher ergueu-se e cumprimentou-lhes a saída com um grito de "Filhos da p...!" Depois, percebendo que estava sentada nalguma coisa incómoda, escorregou dos joelhos de Winston para o banco.

- Desculpe, queridinho. Eu não sentaria em cima de você, foram os sacanas que me puseram aí. Não sabem nem tratar uma senhora, sabem? - Fez uma pausa, bateu no peito, e arrotou. - Perdão, não me estou sentindo muito bem.

Curvou-se para frente e vomitou copiosamente no chão.

- Tá melhor, assim - disse, tornando a endireitar-se, fechando os olhos. - Nunca segurar a vontade, é o que eu digo. Soltar tudo enquanto está fresco no estômago.

Retemperou-se, tornou a olhar para Winston e imediatamente pareceu ter simpatizado com ele. Passou por seus ombros um braço enorme e puxou-o para perto, fungando cerveja e vômito na cara dele.

- Como é seu nome, queridinho?

- Smith.

- Smith? Engraçado! Meu nome também é Smith!

E acrescentou, sentimental:

- Eu podia ser sua mãe!

Podia, pensou Winston. Tinha mais ou menos a idade e o físico, e era provável que as pessoas mudassem muito em vinte e cinco anos de trabalhos forçados.

<< Página Anterior

pág. 237 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

Capa do livro 1984
Páginas: 309
Página atual: 237

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo I 1
Capítulo II 20
Capítulo III 29
Capítulo IV 38
Capítulo V 50
Capítulo VI 66
Capítulo VII 72
Capítulo VIII 85
Capítulo IX 108
Capítulo X 120
Capítulo XI 130
Capítulo XII 141
Capítulo XIII 152
Capítulo XIV 162
Capítulo XV 165
Capítulo XVI 173
Capítulo XVII 185
Capítulo XVIII 235
Capítulo XIX 249
Capítulo XX 270
Capítulo XXI 284
Capítulo XXII 293
Capítulo XXIII 298
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site