Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 17: IX

Página 176
.. Adeus! Vou para longe..., tão longe que não ouvirá falar mais de mim!... Hoje, no entanto..., não sei que força me impeliu ainda para si! Porque não se pode lutar contra o Céu, não se resiste ao sorriso dos anjos! Somos sempre arrastados pelo que é belo, encantador, adorável!

Era a primeira vez que Emma ouvia alguém dizer-lhe estas coisas; e o seu orgulho, como quem se espreguiça numa estufa, todo se dilatava brandamente ao calor daquela linguagem.

- Mas, se não vim - continuou ele -, se a não pude ver, oh!, pelo menos demorei-me a contemplar tudo aquilo que a rodeia. À noite, todas as noites, levantava-me, vinha até aqui, contemplava asua casa, o telhado que brilhava ao luar, as árvores do jardim que balouçavam à sua janela e uma pequena lâmpada, uma luzinha que brilhava na sombra, através da vidraça. Ah! Mal sabia que ali, tão perto e tão longe, se achava um pobre miserável...

Emma voltou-se para ele com um soluço.

- Oh!, o senhor é bom! - disse ela.

- Não; é que a amo, só isso! Não pode duvidar! Diga-me uma palavra! Uma única palavra!

E Rodolphe, insensivelmente, deixou-se escorregar do tamborete para o chão; mas ouviu-se o ruído de tamancos na cozinha, e a porta da sala, conforme reparou, não estava fechada.

- Como seria generosa - prosseguiu ele enquanto se levantava - se satisfizesse uma fantasia minha!

Queria ver a casa; desejava conhecê-la; e, como a Sr. Bovary não visse nisso inconveniente, ambos se levantavam, quando Charles entrou.

- Bom dia, Sr. Doutor - disse-lhe Rodolphe.

O médico, lisonjeado com o inesperado tratamento, desfez-se em obséquios e o outro aproveitou para recobrar um pouco a calma.

- A senhora estava-me falando da sua saúde... - começou ele a dizer. Charles interrompeu-o andava realmente muito inquieto a esse respeito; as opressões que sua mulher sentia recomeçavam.

<< Página Anterior

pág. 176 (Capítulo 17)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 176

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site