Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 32: IX

Página 357
IX

Depois da morte de alguém fica sempre uma espécie de assombro, por ser tão difícil de compreender esse aparecimento do nada e de aceitar a sua presença. Mas, quando Charles se apercebeu da sua imobilidade, lançou-se sobre ela, gritando:

- Adeus! Adeus! Homais e Canivet arrastaram-no para fora do quarto.

- Tenha calma!

- Está bem - dizia ele debatendo-se. - Serei razoável, não vou fazer mal nenhum. Mas deixem-me! Quero vê-la! É minha mulher!

E chorava.

- Chore - disse o farmacêutico -, dê largas à natureza, ficará aliviado!

Mais enfraquecido que uma criança, Charles deixou-se levar para baixo, para a sala, e, dali a pouco, Homais voltou para casa.

Foi abordado na praça pelo cego, que, tendo-se arrastado até Yonville, na esperança da pomada antiflogística, perguntava a todas as pessoas que passavam onde morava o boticário.

- Que maçada! Como se eu não tivesse mais nada que fazer! Olha, paciência, volta noutra altura!

E entrou precipitadamente na farmácia.

Tinha de escrever duas cartas, de preparar um calmante para Bovary, de arranjar uma mentira para encobrir o envenenamento e de redigir um artigo para Le Fanal, sem falar nas pessoas que o esperavam para obter informações; e, depois de os moradores de Yonville terem ouvido a sua história do arsénico que ela tomara por açúcar, com o qual fizera um creme de baunilha, Homais voltou ainda uma vez a casa de Bovary.

Encontrou-o sozinho (o Dr. Canivet acabara de sair), sentado na sua poltrona, ao pé da janela, contemplando com olhar idiota o pavimento da sala.

- Agora - disse o farmacêutico - tem de ser o doutor a fixar a hora da cerimónia.

- Porquê? Que cerimónia?

Depois acrescentou com voz balbuciante e assustada:

- Oh! Não, ora essa! Não, quero ficar com ela.

<< Página Anterior

pág. 357 (Capítulo 32)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 357

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site