Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 20: XII

Página 209
XII

Recomeçaram a amar-se. Frequentemente, até ao meio do dia, Emma resolvia escrever-lhe; depois, por dentro dos vidros, fazia sinal a justin, que desatava rapidamente o avental e corria à Huchette. Rodolphe chegava; era para lhe dizer que estava enfadada, que o marido lhe era odioso e que levava uma existência horrível!

- Posso eu porventura fazer alguma coisa? - exclamou ele um dia, impaciente.

- Ah!, se tu quisesses!...

Ela estava sentada no chão, entre os joelhos dele, com os cabelos soltos, o olhar perdido.

- Continua - disse Rodolphe. Ela suspirou.

- Iríamos viver juntos longe daqui..., em qualquer parte...

- Estás louca, realmente! - disse ele a rir. - Como pode ser uma coisa dessas?

Ela insistiu no assunto; ele fez que não compreendia e desviou a conversação.

O que ele não compreendia era toda aquela perturbação numa coisa tão simples como o amor. Emma tinha um motivo, uma razão, como que um reforço para a sua dedicação.

Aquela ternura, com efeito, aumentava de dia para dia, com a repulsa que sentia pelo marido. Quanto mais se entregava a um, mais detestava o outro; nunca Charles lhe parecia tão desagradável, ter as mãos tão sapudas, o espírito tão grosseiro e os modos tão vulgares como depois destes encontros com Rodolphe, em quê passavam algum tempo juntos. Então enquanto fazia de esposa e mulher virtuosa, sentia-se inflamar pela ide:"" daquela cabeça cujos cabelos negros se enrolavam em caracol sobre a írorte crestada, daquele corpo ao mesmo tempo tão robusto e tão elegante daquele homem, enfim, tão cheio de experiência e discernimento, tã arrebatado no desejo! Era para ele que limava as unhas com um cuidado cinzelador e punha sempre mais could cream na pele e pachuli nos lenço:

Carregava-se de braceletes, de anéis, de colares.

<< Página Anterior

pág. 209 (Capítulo 20)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 209

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site