Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 33: X

Página 366
X

Só recebera a carta do farmacêutico trinta e seis horas depois do acontecimento; e, por consideração para com a sua sensibilidade, Homais redigira-a de tal modo que era impossível saber com o que contar.

Primeiro o pobre homem caiu como se lhe tivesse dado um ataque de apoplexia. Depois compreendeu que ela não estaria morta. Mas podia afinal estar... Por fim enfiara uma camisola, pusera o chapéu, afivelara uma espora no sapato e partira a toda a brida; durante todo o trajecto, o Tio Rouault, ofegante, consumia-se de angústias. Uma vez mesmo foi obrigado a parar. Já não via nada, ouvia vozes à sua volta, sentia-se enlouquecer.

Nasceu o dia. Avistou três galinhas pretas a dormir numa árvore; estremeceu, aterrado por aquele presságio. Então ofereceu à Virgem três casulas para a igreja e fez a promessa de ir descalço desde o cemitério dos Bertaux até à capela de Vassonville.

Entrou em Maromme brdando pela gente da estalagem, arrombou a porta com os ombros, correu -ao saco de aveia, esvaziou na manjedoura uma garrafa de sidra doce e voltou a montar o potro, fazendo-o ferir lume com as quatro ferraduras.

Ia pensando que talvez a conseguissem salvar; os médicos encontrariam um remédio. Lembrava-se de todas as curas milagrosas que lhe tinham contado.

Depois via-a já morta. Ali, diante dele, estendida de costas, no meio da estrada. Puxava as rédeas e a alucinação desaparecia.

Em Quincampoix, para cobrar ânimo, bebeu três cafés, um atrás do outro.

Pensou se não se teriam enganado a escrever o nome. Procurou a carta no bolso, achou-a, mas não teve coragem de a abrir.

Chegou a imaginar que poderia ser uma partida, uma vingança de alguém, uma fantasia de algum brincalhão; além disso, se ela tivesse morrido, não se saberia já? Mas não! O campo não tinha nada de extraordinário: o céu estava azul, as árvores oscilavam; passava um rebanho de ovelhas.

<< Página Anterior

pág. 366 (Capítulo 33)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 366

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site