Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 12: III

Página 97
III

Na manhã seguinte, ao acordar, notou a presença do escriturário na praça. Ela estava de roupão. Ele levantou a cabeça e cumprimentou-a. Ela inclinou rapidamente a sua e voltou a fechar a janela.

Léon esperou todo o dia que chegassem as seis horas; mas, quando entrou na estalagem, não encontrou ninguém se não o Sr. Binet sentado mesa.

Aquele jantar da véspera fora para ele um acontecimento importante; nunca antes conversara durante duas horas seguidas com uma dama. Como pudera então expor-lhe, e em tal linguagem, uma porção de coisas que res não seria capaz de dizer tão bem? Era habitualmente tímido e conservava sempre aquela reserva que é feita tanto de pudor como de dissimularia. Achavam em Yonville que ele tinha uns modos como deve ser. Escutava - raciocínios das pessoas maduras e não se mostrava exaltado na política, isso era notável num jovem. Além disso, possuía talentos: pintava aguarelas, ia ler a clave de sol e gostava de conversar sobre literatura depois do tratar, quando não jogava às cartas. O Sr. Homais admirava-o muito pela instrução; a Sr." Homais gostava muito dele pela sua complacência, pois muitas vezes lhe levava os filhos para o jardim, sendo eles crianças que andavam sempre sujas, muito mal educadas e um tanto linfáticas, como mãe. Para tratar deles, além da criada, havia justin, o aprendiz de farmácia primo afastado do Sr. Homais, que este recolhera em casa por caridade que, ao mesmo tempo, servia de criado.

O boticário mostrou-se o melhor dos vizinhos. Informou a Sr." Bovary sobre os fornecedores, mandou vir expressamente o negociante de sidra, provou ele próprio a bebida e verificou ainda se as vasilhas ficavam bem acomodadas na adega; indicou também a maneira de conseguir um fornecimento de manteiga a um preço barato e fez um acordo com Lestiboudois, o sacristão, que, além das suas funções sagradas e mortuárias, cuidava dos principais jardins de Yonville, à hora ou ao ano, conforme a preferência das pessoas.

<< Página Anterior

pág. 97 (Capítulo 12)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 97

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site