Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 29: VI

Página 307
VI

Nas viagens que fazia para a ver, Léon jantara muitas vezes em casa do farmacêutico e sentira-se constrangido, por delicadeza, a convidá-lo por sua vez.

- Com muito gosto! - respondera o Sr. Homais. - Além disso, eu também preciso de me retemperar um pouco, porque senão embruteço aqui. Iremos ao teatro, ao restaurante, faremos umas folias!

- Ahl, meu amiguinho! - murmurou ternamente a Sr. Homais, assustada com os vagos perigos que ele se dispunha correr.

- Ora, que tem isso? Achas que não chega de arruinar a saúde vivendo continuamente no meio das emanações da farmácia? Vejam bem como são as mulheres: têm ciúmes da ciência, depois opõem-se a que nos entreguemos às mais legítimas distracções. Não interessa, pode contar comigo; um destes dias apareço em Ruão e os dois levamos a banca à glória.

O boticário, noutro tempo, nunca teria empregado semelhante expressão; mas adoptara recentemente um género galhofeiro e parisiense que achava de muito bom gosto; e, como a Sr, Bovary, sua vizinha, interrogava o escriturário, cheio de curiosidade pelos costumes da capital, chegando até a falar em gíria para deslumbrar... os outros burgueses.

Por conseguinte, numa quinta-feira, Emma ficou surpreendida de encontrar, na cozinha do Leão de Ouro, o Sr. Homais em trajo de viagem, isto é, com o velho capote que ninguém lhe conhecia, segurando uma mala numa das mãos e, na outra, o saco de agasalhar os pés que usava no estabelecimento. Não tinha participado a ninguém o seu projecto, com receio de inquietar o público com a sua ausência.

A ideia de rever os lugares onde passara a juventude devia excitá-lo, pois não se calou durante todo o caminho; depois, mal acabou de chegar, saltou logo da carruagem para ir à procura de Léon; e o escriturário, por mais que resistisse, acabou por ser arrastado para o grande Café da Normandia, onde Homais entrou majestosamente sem tirar o chapéu, achando ser demasiado provinciano descobrir-se num lugar público.

<< Página Anterior

pág. 307 (Capítulo 29)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 307

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site