Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: IV

Página 285
IV

Léon começou a tomar diante dos colegas um ar de superioridade, evitando-lhes a companhia, e a negligenciar completamente os processos.

Esperava as cartas dela; relia-as. Escrevia-lhe. Evocava-a com toda a força do desejo e das recordações. Em vez de diminuir com a ausência, aquele desejo de a voltar a ver aumentava, até que, num sábado de manhã, ele se escapou do cartório.

Quando, do alto da encosta, avistou no vale o campanário da igreja com a sua bandeira de lata girando ao vento, sentiu daquele prazer misturado com vaidade triunfante e comoção egoísta que devem sentir os milionários quando voltam a visitar a sua aldeia.

Foi rondar-lhe a casa. Brilhava uma luz na cozinha. Procurou espreitar-lhe a sombra atrás das cortinas. Não viu nada.

A Tia Lefrançois, vendo-o, soltou grandes exclamações e achou-o «crescido e magro», enquanto Artémise, pelo contrário, o achou «forte e moreno».

Jantou na sala pequena, como dantes fazia, mas sozinho, sem o tesoureiro; porque Binet, cansado de esperar pela Andorinha, havia passado definitivamente a tomar a refeição uma hora mais cedo, e jantava agora às cinco em ponto, continuando entretanto a achar que o velho calhambeque quase sempre se atrasava.

Léon, afinal, decidiu-se; foi bater à porta do médico. A senhora estava no quarto, de onde só veio a descer um quarto de hora depois. O doutor pareceu encantado de o ver de novo; ele, entretanto, não arredou pé durante todo o serão, nem durante todo o dia seguinte.

Encontrou-se sozinho com ela, à noite, bastante tarde, no beco, atrás do jardim - no beco, como o outro! Trovejava e conversaram os dois debaixo dum guarda-chuva, à luz dos relâmpagos.

A separação tornava-se-lhes insuportável.

- Antes queria morrer! - dizia Emma.

<< Página Anterior

pág. 285 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 285

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site