Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 24: TERCEIRA PARTE – I

Página 255
TERCEIRA PARTE – I

Léon, ao mesmo tempo que estivera fazendo os seus estudos de Direito, frequentara razoavelmente a Choupana, onde obteve até um êxito relativamente grande entre as operariazinhas que lhe achavam um ar distinto. Era o estudante mais bem comportado: não usava o cabelo demasiado comprido nem demasiado curto, não gastava logo no primeiro dia do mês todo o dinheiro do trimestre e mantinha boas relações com os professores. A respeito de excessos, sempre se abstivera, tanto por pusilanimidade como por delicadeza.

Frequentemente, quando ficava no quarto a ler, ou então se ia sentar, à tarde, debaixo das tílias do Luxemburgo, deixava cair o Código no chão e vinham-lhe as recordações de Emma. Mas, a pouco e pouco, este sentimento fora enfraquecendo e outros desejos se lhe foram sobrepondo, se bem que, apesar de tudo, aquele persistisse através destes, pois Léon não perdera toda a esperança; havia para ele uma espécie de promessa incerta que se projectava no futuro, como um fruto de ouro suspenso nalguma fantástica folhagem.

Depois, ao tornar a vê-la após três anos de ausência, reacendeu-se-lhe a paixão. Era preciso, pensou ele, resolver-se finalmente a querer possuí-la. Além disso, a sua timidez gastara-se ao contacto com as companhias de estroinice e ele voltava à província desprezando tudo o que não fosse sapato de verniz pisando o asfalto da capital. Se tivesse de enfrentar uma parisiense coberta de rendas, na sala de algum doutor ilustre, personagem condecorada, possuidora de carruagem, o pobre escriturário certamente tremeria como uma criança; mas aqui, em Ruão, no porto, diante da mulher daquele medicozinho, sentia-se à vontade, antecipadamente certo de que deslumbraria. O aprumo depende do meio onde se está: não se fala na sobreloja como no quarto andar e a mulher rica parece ter em torno de si, para lhe proteger a virtude, todas as suas notas de banco, como uma couraça, no forro do espartilho,

Depois de, na véspera à noite, se ter despedido do casal Bovary, Léon seguira-os de longe pela rua; e logo, vendo-os parar na Cruz Vermelha.

<< Página Anterior

pág. 255 (Capítulo 24)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 255

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site