Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 31: VIII

Página 339
VIII

Emma perguntava a si mesma, enquanto caminhava: «O que lhe irei dizer? Por onde hei-de começar?» E, à medida que avançava, reconhecia os arbustos, as árvores, os juncos sobre a colina, o castelo lá adiante. Voltava a encontrar as sensações da sua primeira ternura e o pobre coração oprimido dilatava-se nelas amorosamente. Soprava-lhe no rosto uma aragem tépida; a neve, derretendo-se, caía gota a gota dos rebentos sobre a erva.

Entrou, como dantes, pela pequena porta do parque, chegando depois ao pátio nobre, orlado por uma dupla fileira de tílias frondosas, que baloiçavam, assobiando, os seus longos ramos. Os cães no canil ladraram todos, e todo aquele ladrar ecoou sem que ninguém aparecesse.

Subiu o grande lance de escadas, com balaústres de madeira, que conduziam ao corredor com lajes empoeiradas, para onde dava uma fila de quartos, como nos mosteiros ou nas estalagens. O dele ficava no extremo, ao fundo, do lado esquerdo. Quando pôs os dedos no fecho da porta, sentiu subitamente que todas as forças a abandonavam. Tinha medo de que ele lá não estivesse, mas quase desejava que assim fosse, apesar de ser a sua única esperança, a última hipótese de salvação. Concentrou-se um minuto e, retemperando a coragem no sentimento da necessidade presente, entrou.

Ele estava em frente à lareira, com os dois pés sobre o anteparo, a fumar uma cachimbada.

- Oh!, é a senhora... - exclamou, levantando-se repentinamente.

- Sim, sou eu!... Queria, Rodolphe, pedir-lhe um conselho.

E, apesar de todos os esforços, não conseguia descerrar os lábios.

- Não mudou nada; continua encantadora como sempre!

- Oh! - retorquiu ela amargamente -, são tristes encantos, meu amigo, visto que os desdenhou.

Então Rodolphe começou uma explicação da sua conduta, desculpando-se em termos vagos, por não poder inventar coisa melhor.

<< Página Anterior

pág. 339 (Capítulo 31)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 339

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site