Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: X

Página 187

Vendo Emma, pareceu aliviado de um grande peso e, entabulando imediatamente a conversação, disse

- Não faz calor nenhum, está um frio que corta! Emma não respondeu. Ele continuou

- E a senhora a sair assim tão cedo?

- É verdade - balbuciou ela. - Venho de casa da ama onde está a minha filha.

- Ah!, perfeitamente, perfeitamente! Pois eu, tal como me vê, estou aqui desde madrugada; mas o tempo está tão enevoado que, a não ser que me venham parar as penas mesmo à boca do cano...

- Passe muito bem, Sr. Binet - interrompeu ela, voltando-lhe as costas.

- Às suas ordens - replicou ele secamente. E voltou a enfiar-se no barril.

Emma arrependeu-se de ter deixado assim tão bruscamente o tesoureiro. Ele iria sem dúvida fazer conjecturas desfavoráveis. A história da ama era a pior desculpa, porque toda a gente sabia em Yonville que a pequenita dos Bovary há um ano já que voltara para casa dos pais. Além disso, não morava ninguém por ali perto e aquele caminho só dava passagem para a Huchette; portanto, Binet calculara donde ela vinha e não se calaria, daria à língua, era mais que certo!

Emma ficou até à noite a torturar o espírito com todos os projectos de mentiras imagináveis, vendo sempre na sua frente aquele caçador imbecil.

Charles, depois do jantar, vendo-a inquieta, quis levá-la a casa do farmacêutico para a distrair; e a primeira pessoa com quem Emma encarou na farmácia logo haveria de ser ele, o tesoureiro! Estava de pé, diante do balcão, iluminado pela luz da redoma vermelha, e dizia

- Dê-me, por favor, meia onça de vitríolo.

- Justin - gritou o boticário -, traz-me o ácido sulfúrico!

Depois, voltando-se para Emma, que queria subir ao quarto da Sr. Hormais

- Não, pode esperar, não vale a pena, ela desce já.

<< Página Anterior

pág. 187 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 187

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site