Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 27: IV

Página 286
Torcia-se sobre o braço dele, banhada em pranto. - Adeus!... adeus!... Quando voltarei a ver-te?

Voltaram atrás para se beijar mais uma vez, e foi nessa altura que ela lhe prometeu arranjar em breve, por qualquer meio, um processo de se verem livremente, com regularidade, pelo menos uma vez por semana. Emma não tinha dúvidas. Estava, além disso, cheia de esperanças. Contava receber dinheiro.

Por isso comprou para o quarto um par de cortinas amarelas, de riscas largas, que Lheureux lhe gabara como sendo a um bom preço; sonhou com um tapete, e Lheureux, afirmando «que não era nenhum bicho-de-sete-cabeças», encarregou-se delicadamente de lho fornecer. Emma já não podia dispensar-lhe os serviços. Mandava-o chamar vinte vezes por dia e ele largava logo o negócio, sem soltar um único queixume. Também não se compreendia por que razão a Tia Rolet almoçava todos os dias em casa dela e até lhe fazia visitas em segredo.

Foi por essa altura, ou seja, no começo do Inverno, que Emma pareceu tomada por um grande ardor musical.

Uma noite em que Charles a escutava, ela recomeçou quatro vezes o mesmo trecho, enganando-se sempre, enquanto aquele, sem notar nenhuma diferença, exclamava:

- Bravo!..., muito bem!... Não deves parar! Continua!

- Oh, não! É horrível! Tenho os dedos enferrujados.

No dia seguinte, Bovary pediu-lhe que tocasse mais qualquer coisa para ele ouvir.

- Vá lá, então, para te fazer a vontade!

E Charles concordou que estava um pouco esquecida.

Enganava-se nas pautas, atrapalhava-se; depois, parando de repente, exclamou:

- Acabou-se! Teria de tomar algumas lições; mas... Mordeu os lábios e acrescentou:

- Vinte francos de cada vez é demasiado caro!

- Sim, com efeito..., é um pouco caro.

<< Página Anterior

pág. 286 (Capítulo 27)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 286

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site