Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 31: VIII

Página 340

Ela deixou-se prender pelas suas palavras, e mais ainda pela voz e pela presença dele; de modo que deu a impressão de acreditar, ou talvez tenha acreditado no pretexto da ruptura; era um segredo de que dependia a honra e até a vida de uma terceira pessoa.

- Paciência! - disse ela, olhando-o tristemente -, tenho sofrido bastante! E ele respondeu em tom filosófico:

- A vida é assim!

- Terá pelo menos sido boa para si, depois da nossa separação? - continuou ela.

- Oh! Nem boa... nem má.

- Talvez valesse mais nunca nos termos deixado.

- Sim..., talvez!

- Achas? - disse Emma, aproximando-se dele.

E suspirou.

- Oh!, Rodolphe! se soubesses!... Amava-te muito!

Foi nesse momento que ela lhe pegou na mão e ficaram algum tempo assim, com os dedos entrelaçados - como no primeiro dia, nos comícios! . Num gesto de orgulho, ele debatia-se com a comoção. Ela, porém, caindo-lhe nos braços, disse-lhe:

- Como querias tu que eu vivesse sem ti? A gente não se desabitua

da felicidade! Estava desesperada! Pensava que morria! Depois te contarei tudo isso, verás. E tu... tu fugiste-me!...

Havia três anos que Rodolphe a evitava cuidadosamente, por essa cobardia natural que caracteriza o sexo forte; e Emma continuava a fazer gestos mimalhos com a cabeça, mais meiga que uma gatinha apaixonada:

- Tu amas outras, confessa. Oh!, eu compreendo-as, deixa! Desculpo-as; naturalmente seduziste-as como me seduziras a mim. És um homem, tu! Tens tudo o que é preciso para te fazeres amar. Mas vamos recomeçar, não é verdade? Vamo-nos amar muito. Vês? Estou a rir, sinto-me feliz! Que dizes?

Estava encantadora, com aquele olhar onde tremia uma lágrima, como a água duma tempestade num cálice azul.

Rodolphe puxou-a para os joelhos e com as costas da mão acariciava-lhe os lisos bandós, onde, à claridade do crepúsculo, rebrilhava como flecha de ouro um último raio de sol.

<< Página Anterior

pág. 340 (Capítulo 31)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 340

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site