Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 32: IX

Página 358

Homais, por presença de espírito, pegou num jarro de cima do aparador para regar os gerânios.

- Ah! Obrigado - disse Charles -, como o senhor é bondoso!... E não terminou, sufocado por uma abundância de recordações que aquele gesto do farmacêutico lhe evocava.

Então, para o distrair, Homais achou conveniente falar um pouco de horticultura; as plantas precisavam de humidade. Charles baixou a cabeça em sinal de aprovação.

- Além disso, vão agora regressar os dias bonitos.

- Sim! - disse Bovary.

O boticário, tendo esgotado todas as ideias, pôs-se a afastar lentamente as pequenas cortinas da janela.

- Olhe, ali vai o Sr. Tuvache a passar. Charles repetiu maquinalmente:

- O Sr. Tuvache a passar.

Homais não teve coragem de voltar a falar-lhe de disposições fúnebres; foi o eclesiástico que conseguiu decidi-lo.

Bovary fechou-se no seu gabinete, pegou numa pena e, depois de ter soluçado durante algum tempo, escreveu:

Quero que a enterrem com o seu vestido de noiva, com sapatos brancos e uma grinalda. Os cabelos devem ir soltos sobre os ombros; três caixões, um de carvalho, outro de mogno e outro de chumbo. Não me digam nada, que eu terei coragem. Estendam-lhe por cima uma grande peça de veludo verde. Quero que seja assim. Façam isto.

As pessoas ficaram muito admiradas com as ideias românticas de Bovary e o farmacêutico tratou logo de lhe dizer:

- O veludo parece-me uma superfluidade. A despesa, por outro lado...

- Tem alguma coisa com isso? - exclamou Charles. - Deixe-me!

O senhor não gostava dela! Vá-se embora!

O padre pôs-lhe o braço por cima para dar um passeio com ele pelo jardim. Ia discorrendo sobre a vaidade das coisas terrenas: Deus era muito grande, muito bom; devíamos submeter-nos sem murmurar aos seus desígnios e até agradecer-lhe.

<< Página Anterior

pág. 358 (Capítulo 32)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 358

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site