Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 33: X

Página 367
Avistou a vila; viram-no chegar todo debruçado sobre o cavalo, que estimulava com grandes fustigadelas e cuja cilha gotejava sangue.

Quando recuperou a consciência, caiu a chorar nos braços de Bovary: - A minha filha! Emma! Minha filha! Explique-me...!

E o outro respondia entre soluços:

- Não sei, não sei! Foi uma maldição! O boticário separou-os.

- Esses horríveis pormenores são inúteis. Depois informarei o amigo.

Está a chegar gente. Dignidade, senhores! Filosofia!

O pobre Bovary queria mostrar-se forte e repetia várias vezes:

- Sim... coragem!

- Pois bem - exclamou o velhote -, por mim hei-de tê-la! Coragem dum raio! Vou acompanhá-la até ao fim.

O sino dobrava. Tudo estava pronto. Tiveram de se pôr a caminho. E, sentados num banco do coro, um ao lado do outro, viram passar e repassar continuamente por diante deles os três chantres que salmodiavamo O serpentão soprava a plenos pulmões. O P.e Bournisien, em grande cerimonial, cantava com voz aguda; fazia vénias diante do sacrário, levantava as mãos, estendia os braços. Lestiboudois circulava pela igreja com a sua régua de barba de baleia; próximo da estante do coro, o caixão repousava entre quatro fileiras de círios. Charles sentia-se tentado a levantar-se para os ir apagar.

Procurava, no entanto, exercitar-se na devoção, entregar-se à esperança de uma vida futura em que a tornaria a encontrar. Imaginava que ela partira para uma viagem, para muito longe, desde há muito tempo. Mas, quando pensava que ela se encontrava ali debaixo e que tudo acabara, que a levariam a enterrar, sentia uma raiva feroz, negra, desesperada. Às vezes julgava já nada sentir e saboreava essa suavização da sua dor, enquanto estava ainda mais próximo de ser um miserável.

<< Página Anterior

pág. 367 (Capítulo 33)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 367

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site