Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 3: CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA

Página 50
resultante das condições físicas de vida; e supõe-se que as «variações», neste sentido, não são hereditárias: mas quem pode afirmar que, em alguns casos, o nanismo dos moluscos nas águas salobras do Báltico, o nanismo das plantas dos cumes alpinos, ou a maior espessura do pêlo num animal do norte longínquo não são hereditários, pelo menos durante algumas gerações? Suponho que neste caso daríamos o nome «variedade» a essa forma.

Mais uma vez, temos muitas diferenças ligeiras a que se pode chamar «diferenças individuais», como as que se sabe que aparecem frequentemente na prole dos mesmos pais, ou que podemos pressupor terem surgido desta maneira, dado serem frequentemente observados em indivíduos da mesma espécie que habitam o mesmo local delimitado. Ninguém supõe que todos os indivíduos da mesma espécie são produzidos exactamente no mesmo molde. Estas diferenças individuais são muito importantes para nós, na medida em que fornecem à selecção natural materiais para acumular, da mesma maneira que o homem pode acumular, com um dado objectivo, diferenças individuais nas suas produções domesticadas. Estas diferenças individuais afectam geralmente aquilo que os naturalistas consideram como partes sem importância; mas eu poderia mostrar, através de um extenso catálogo de factos, que as partes que temos de qualificar como «importantes», seja de um ponto de vista fisiológico ou classificativo, por vezes variam nos indivíduos da mesma espécie. Estou convencido de que o mais experiente naturalista ficaria surpreendido perante o número de casos de variabilidade, mesmo em partes importantes da estrutura, que poderia recolher com confiança, como recolhi, ao longo dos anos. Há que relembrar que a descoberta de variabilidade em caracteres importantes não agrada nem um pouco aos sistematiza dores, e que poucos homens se dispõem a examinar laboriosamente órgãos internos importantes e a compará-los em muitos espécimes da mesma espécie.

<< Página Anterior

pág. 50 (Capítulo 3)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro A Origem das Espécies
Páginas: 524
Página atual: 50

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
INTRODUÇÃO 1
CAPÍTULO I
VARIAÇÃO SOB DOMESTICAÇÃO
7
CAPÍTULO II
VARIAÇÃO EM ESTADO DE NATUREZA
49
CAPÍTULO III
LUTA PELA EXISTÊNCIA
67
CAPÍTULO IV
SELECÇÃO NATURAL
88
CAPÍTULO V
LEIS DA VARIAÇÃO
143
CAPÍTULO VI
DIFICULDADES ENFRENTADAS PELA TEORIA
184
CAPÍTULO VII
INSTINTO
223
CAPÍTULO VIII HIBRIDISMO 263
CAPÍTULO IX
SOBRE A INPERFEIÇÃO DO REGISTO GEOLÓGICO
302
CAPÍTULO X
SOBRE A SUCESSÃO GEOLÓGICA DOS SERES ORGÂNICOS
336
CAPÍTULO XI
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA
372
CAPÍTULO XII
DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA (continuação)
411
CAPÍTULO XIII
AFINIDADES MÚTUAS DOS SERES ORGÂNICOS. MORFOLOGIA. EMBRIOLOGIA. ÓRGÂOS RUDIMENTARES.
441
CAPÍTULO XIV
RECAPITULAÇÃO E CONCLUSÃO
491
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site