Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: XI

Página 197
Homais, com toda a espécie de raciocínios, exortava o moço da estalagem a deixar-se operar.

- Quando muito, sentirás, talvez, uma ligeira dor; é uma simples para cada como a duma pequena sangria, menos do que a extirpação de certos calos.

Hippolyte, reflectindo, revolvia uns olhos estúpidos.

- Eu, no entanto - continuava o farmacêutico -, não tenho nada com isso! É por ti! Simples sentimento humanitário! Gostava de ver com meu amigo, livre da tua hedionda claudicação, com esse baloiçar da região; lombar, que, por mais que digas, te deve prejudicar consideravelmente exercício da tua profissão.

Então, Homais fazia-lhe ver como ele se haveria de sentir depois m alegre e desembaraçado, e até lhe dava a entender que ficaria em melhor condições de agradar às mulheres; e o moço de cavalariça punha-se a so grosseiramente. Depois atacava-o pelo lado da vaidade:

- Não és um homem, caramba? Que seria então se tivesses de serve no exército, de combater pela pátria?.. Ah! Hippolyte!

E Homais afastava-se, declarando que não compreendia aquela teimosia, aquela cegueira em recusar os benefícios da ciência.

O infeliz cedeu, porque foi uma autêntica conjuração. Binet, que nunca se metia nos assuntos dos outros, a Sr. Lefrançois, Artémise, os vizinhos e até o administrador, o Sr. Tuvache, toda a gente o instigou, lhe fez sermões, o procurou envergonhar; mas o que acabou por convencê-lo foi o fruto de não lhe custar dinheiro. Bovary encarregava-se mesmo de oferece o aparelho para a operação. Emma tivera a ideia dessa generosidade; e Chiles acedeu, dizendo para consigo que a sua mulher era um anjo.

Com os conselhos do farmacêutico, e depois de ter voltado três vezes princípio, conseguiu então que o marceneiro, ajudado pelo serralheiro, construísse uma espécie de caixa como peso aproximadamente de oito obras; em que não houve economia de ferro, madeira, lata, couro, por e parafusos.

<< Página Anterior

pág. 197 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 197

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site