Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 20: XII

Página 210
Quando o esperava, enchia de rosas os seus dois grandes vasos de vidro azul e arrumava o quarto e arranjava-se como uma cortesã que espera um príncipe. A criada tinha de estar sempre a lavar a roupa; e, durante o dia todo, Félicité não arredava pé da cozinha, onde o pequeno justin muitas vezes lhe fazia companhia, vendo-a trabalhar.

Com o cotovelo em cima da grande prancha onde ela passava a ferro justin contemplava avidamente toda aquela roupa de mulher espalhada à sua volta: os saiotes de bombazina, os lenços do pescoço, os colarinhos, as calças com cordões, largas nas ancas e estreitas em baixo.

- Para que serve isto? - perguntava o rapazito, passando a mão na crinolina ou nos colchetes.

- Então tu nunca viste nada! - respondia Félicité, rindo.

- Como se a tua patroa, a Sr. Homais, não usasse a mesma coisa.

- Ah, sim!, a Sr!Homais!

E acrescentava em tom meditativo:

- E ela é uma senhora como esta?

Mas Félicité impacientava-se de o ver girar assim à sua volta. Tinha mais seis anos do que ele, e Théodore, o criado do Sr. Guillaumin, começava a fazer-lhe a corte.

- Deixa-me em paz! - dizia ela, mudando de lugar a tigela de goma..

- Vai lá mas é pilar as amêndoas; andas sempre a remexer em coisas de mulheres; espera ao menos que te apareçam alguns pêlos na barba, me fedelho maldoso, para depois te meteres nestes assuntos.

- Vá lá, não se zangue comigo, que lhe vou engraxar as botinas.

E logo tirou de cima da prateleira as botinas de Emma, todas empastadas de lama - a lama das saídas à socapa -, que se lhe desfazia em pc entre os dedos e que ele via pairar levemente num raio de sol.

- Que medo que tu tens de as estragar! - dizia a cozinheira, que não usava de tantos cuidados quando as limpava, porque a senhora, mal começavam a envelhecer, as punha logo de parte.

<< Página Anterior

pág. 210 (Capítulo 20)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 210

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site