Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 26: III

Página 283

Uma vez apareceu a Lua; então não deixaram de dizer algumas frases a propósito, achando o astro melancólico e cheio de poesia; até Emma se pôs a cantar:

Lembras-te daquela noite? Vogando os dois, etc.

A sua voz harmoniosa e fraca perdia-se sobre as ondas; e o vento levava os garganteios que Léon ouvia passar, como um bater de asas, em torno dele.

Ela ia de pé, do outro lado, encostada à parede da chalupa, onde o luar entrava por um dos postigos abertos. O vestido negro, cuja saia se alargava em leque, tornava-a mais esguia e mais alta. Tinha a cabeça erguida, as mãos unidas e os olhos voltados para o céu. Às vezes, a sombra dos salgueiros escondia-a por completo, para voltar subitamente a aparecer, como uma visão, contra a luz da lua.

Léon encontrou no chão, perto dela, uma fita de seda cor de papoila. O barqueiro examinou-a e acabou por dizer:

- Ah!, deve ser dum grupo que levei a passear no outro dia. Vieram uma quantidade de folgazões, homens e mulheres, com bolos, champanhe, cornetas, uma data de coisas! Havia sobretudo um homem alto, bem apresentado, de bigodinho, que era bastante divertido! E diziam-lhe assim: «Anda lá, conta-nos qualquer coisa..., Adolphe..., Dodolphe..., creio eu.»

Emma estremeceu.

- Sentes-te mal? - perguntou Léon, aproximando-se dela.

- Não, não é nada! Naturalmente é da frescura da noite.

- Também a ele não deviam faltar mulheres - acrescentou em voz baixa o velho marinheiro, julgando dirigir assim ao estranho uma amabilidade.

Depois, cuspindo nas mãos, voltou a pegar nos remos.

Tiveram, no entanto, de se separar! As despedidas foram tristes. Era para casa da Tia Rolet que ele devia escrever; Emma fez-lhe recomendações tão precisas sobre a maneira de utilizar um duplo sobrescrito, que ele ficou muito admirado com a sua astúcia amorosa.

<< Página Anterior

pág. 283 (Capítulo 26)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 283

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site