Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 30: VII

Página 326
Emma espiava-o com um olhar angustiado, julgando descobrir acusações nas rugas do rosto dele. Depois, quando os olhos se lhe voltavam para o fogão de sala guarnecido de telas chinesas, para os grandes cortinados, para as poltronas, para todas aquelas coisas que, enfim, lhe haviam adoçado a amargura da vida, sentia-se possuída por um remorso, ou, antes, uma pena imensa que lhe irritava a paixão, longe de a anular. Charles atiçava placidamente o fogão, com os pés apoiados no varandim.

Houve um momento em que o guarda, sem dúvida aborrecido de estar no seu esconderijo, fez um pouco de ruído.

- Anda alguém lá em cima? - disse Charles.

- Não! - respondeu ela. - É uma clarabóia que ficou aberta e que mexe com o vento.

Partiu para Ruão no dia seguinte, que era domingo, para visitar todos os banqueiros de que conhecia o nome. Estavam no campo ou em viagem. Não desistiu; e aos que conseguiu encontrar pediu dinheiro, argumentando que precisava dele e que o restituiria. Alguns riram-se-lhe na cara; todos recusaram.

Às duas horas correu a casa de Léon, batendo-lhe à porta. Ninguém abriu. Por fim apareceu ele. - Que te traz por cá?

- Incomodo-te?

-Não..., mas...

E confessou que a dona da casa não gostava que lá fossem «mulheres». - Tenho de falar contigo - prosseguiu ela.

Então ele pegou na chave. Ela deteve-o.

- Aqui não! Lá no nosso quarto.

E foram para o quarto do Hotel Bolonha.

Ela bebeu, logo que lá chegou, um grande copo de água. Estava muito pálida. Disse-lhe:

- Léon vais-me fazer um favor.

E, sacudindo-o pelas duas mãos, que segurava com força, acrescentou:

- Escuta, preciso de oito mil francos!

- Mas estás doida!

- Ainda não!

E imediatamente lhe contou a história da penhora, lhe expôs o seu infortúnio; porque Charles não sabia de nada, a sogra detestava-a, o Tio Rouault nada podia fazer; mas ele, Léon, iria pôr-se em campo para encontrar aquela soma indispensável.

<< Página Anterior

pág. 326 (Capítulo 30)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 326

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site