Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 34: XI

Página 374

Foi por essa época que a viúva Dupuis teve a honra de lhe participar o «casamento do Sr. Léon Dupuis, seu filho, notário em Yvetot, com D. Leocádia Leboeuf de Bondeville». Charles, entre as felicitações que lhe enviou, escreveu a seguinte frase:

«Como a minha pobre mulher se teria sentido felizl»

Um dia em que, errando pela casa sem qualquer objectivo, subira ao sótão, sentiu, debaixo do chinelo, uma bola de papel amarrotado. Desenrolou-a e leu: «Coragem, Emma! Tenha coragem! Não quero fazer a infelicidade da sua existência.» Era a carta de Rodolphe, caída no chão no meio de umas caixas, onde ficara até àquele momento, em que o vento da fresta a arrastara na direcção da porta. Charles ficou completamente imóvel e boquiaberto naquele mesmo local onde antes, ainda mais pálida do que ele, Emma, desesperada, havia querido morrer. Descobriu por fim um pequeno R ao fundo da segunda página. O que era aquilo? Lembrou-se das assiduidades de Rodolphe, do seu súbito desaparecimento e do ar constrangido que adoptara quando, depois disso, a tinha encontrado duas ou três vezes. Mas foi iludido pelo tom respeitoso da carta.

«Amaram-se talvez platonicamente», pensou ele.

Além disso, Charles não era pessoa para ir até ao fundo das coisas: recuava diante das dificuldades, e o seu incerto ciúme perdeu-se na imensidão da sua dor.

Deve ter sido adorada, pensava ainda. Todos os homens, com certeza, a teriam cobiçado. Pareceu-lhe por isso mais bela; e concebeu um desejo permanente, furioso, que inflamava o seu desespero e não tinha limites, por ser agora irrealizável.

Para lhe agradar, como se ela ainda vivesse, adoptou-lhe as predilecções, as ideias; comprou botas de verniz, começou a usar gravatas brancas, punha cosméticos no bigode, assinava letras à ordem, como ela.

<< Página Anterior

pág. 374 (Capítulo 34)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Madame Bovary
Páginas: 382
Página atual: 374

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
PRIMEIRA PARTE – I 1
II 12
III 22
IV 29
V 36
VI 40
VII 46
VIII 54
IX 66
SEGUNDA PARTE – I 79
II 90
III 97
IV 112
VI 126
VII 140
VIII 150
IX 175
X 186
XI 196
XII 209
XIII 224
XIV 234
XV 246
TERCEIRA PARTE – I 255
II 271
III 282
IV 285
V 289
VI 307
VII 325
VIII 339
IX 357
X 366
XI 373
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site