Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 23: Capítulo 23

Página 162
VINTE E DOIS

Quando chegamos à segunda metade da Revelação, depois de a criança recém-nascida ser arrebatada pelo céu e a mulher fugir para o deserto, há uma mudança súbita e sentimos que estamos a ler um Apocalipse puramente judaico e judaico-cristão, sem nenhum pano de fundo primitivo.

«Então houve no céu uma grande batalha: Miguel e os seus anjos pelejavam contra o dragão.» Expulsam o dragão do céu para a terra, ele transforma-se em Satanás e deixa totalmente de interessar. Quando as grandes figuras da mitologia se transformam em forças racionalizadas ou apenas morais, perdem o interesse. Ficamos entediados ao máximo com uma Afrodite «racionalizada». Pouco depois do ano 1000 a. c., o mundo fez-se um tanto demente com morais e com «pecados». Quanto aos Judeus, sempre tinham tido esse defeito.

O que procurámos no Apocalipse foi qualquer coisa mais antiga, mais grandiosa do que essa história da ética. O velho e incandescente amor à vida, e o estranho arrepio que a presença dos invisíveis mortos nos causa é que davam ritmo às religiões realmente antigas. A religião moral é relativamente moderna, mesmo entre os Judeus.

Contudo, a segunda metade do Apocalipse é toda ela moral; quer. dizer, é toda ela pecado e salvação.

<< Página Anterior

pág. 162 (Capítulo 23)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Apocalipse
Páginas: 180
Página atual: 162

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 14
Capítulo 4 18
Capítulo 5 27
Capítulo 6 33
Capítulo 7 46
Capítulo 8 69
Capítulo 9 75
Capítulo 10 77
Capítulo 11 89
Capítulo 12 99
Capítulo 13 102
Capítulo 14 107
Capítulo 15 112
Capítulo 16 122
Capítulo 17 128
Capítulo 18 143
Capítulo 19 149
Capítulo 20 155
Capítulo 21 160
Capítulo 22 161
Capítulo 23 162
Capítulo 24 170
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site