Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: Capítulo 10

Página 77
NOVE

Pois bem, voltemos ao Apocalipse tendo na ideia o seguinte: que ainda é, pelo seu movimento, uma das obras da velha civilização pagã; e encontramos nele, não o moderno método do pensamento progressivo mas o pagão e velho método rotativo da imagem-pensamento. Cada imagem descreve o seu pequeno círculo de acção e significado, sendo depois rendida por outra imagem. Assim é, em especial na primeira parte anterior ao nascimento do Filho. Todas as imagens são um idiograma, e cada leitor pode interligá-las de forma mais ou menos diferente. Ou antes, cada imagem pode ser diferentemente compreendida por cada leitor, de acordo com a sua reacção emocional. Não deixando, porém, de haver um plano ou esquema determinado e rigoroso.

Devemos lembrar-nos de que o velho método da consciência humana exige que se veja, de cada vez, qualquer coisa acontecer. E tudo concreto, sem abstracções. E tudo dá origem a outra coisa.

Para a antiga consciência, a Matéria ou as Coisas Substanciais são Deus. Um charco de água é Deus. E por que não? Quanto mais tempo vivemos, mais havemos de voltar à mais antiga de todas as visões. Uma grande pedra é Deus. Posso tocar-lhe. É uma coisa inegável. É deus.

Deste modo, as coisas que se movem são duplamente deus.

<< Página Anterior

pág. 77 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Apocalipse
Páginas: 180
Página atual: 77

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 14
Capítulo 4 18
Capítulo 5 27
Capítulo 6 33
Capítulo 7 46
Capítulo 8 69
Capítulo 9 75
Capítulo 10 77
Capítulo 11 89
Capítulo 12 99
Capítulo 13 102
Capítulo 14 107
Capítulo 15 112
Capítulo 16 122
Capítulo 17 128
Capítulo 18 143
Capítulo 19 149
Capítulo 20 155
Capítulo 21 160
Capítulo 22 161
Capítulo 23 162
Capítulo 24 170
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site