Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 11: Capítulo 11

Página 89
DEZ

Com os famosos quatro cavaleiros, começa o verdadeiro drama. Estes quatro cavaleiros são obviamente pagãos. Não têm nada de judaico. Com a sua cavalgada, uns atrás dos outros (ignoramos, no entanto, por que razão a abertura dos selos de um livro os faz aparecer) com a sua cavalgada rápida, fogosa, e pronto. Foram reduzidos ao mínimo.

O facto, porém, é que lá estão: claramente astrológicos, zodiacais, empertigados na consumação de um desígnio, mas que desígnio? Menos cósmico, desta vez, e na verdade mais individual, e humano. O famoso livro dos sete selos e, aqui, o corpo humano: de um homem, de Adão, de qualquer homem; e os sete selos são os sete centros ou portas da sua consciência dinâmica. Somos testemunhas da abertura e da conquista dos grandes centros psíquicos do corpo humano. O velho Adão vai ser conquistado, morrer e renascer como novo Adão, mas por fases; em sete fases sétuplas ou seis fases seguidas da sétima, um clímax. Porque o homem tem sete níveis de conhecimento, desde o mais baixo ao mais alto; ou sete esferas de consciência. Que devem, uma a uma, ser conquistadas, transformadas, transfiguradas.

E quais são as sete esferas da consciência humana? Pode responder-se o que quisermos, cada homem pode dar sua resposta.

<< Página Anterior

pág. 89 (Capítulo 11)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Apocalipse
Páginas: 180
Página atual: 89

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 14
Capítulo 4 18
Capítulo 5 27
Capítulo 6 33
Capítulo 7 46
Capítulo 8 69
Capítulo 9 75
Capítulo 10 77
Capítulo 11 89
Capítulo 12 99
Capítulo 13 102
Capítulo 14 107
Capítulo 15 112
Capítulo 16 122
Capítulo 17 128
Capítulo 18 143
Capítulo 19 149
Capítulo 20 155
Capítulo 21 160
Capítulo 22 161
Capítulo 23 162
Capítulo 24 170
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site