Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: Capítulo 7

Página 47

Porém, estas cintilações de cosmo na Revelação dificilmente podem ser atribuídas a João de Patmos. Como apocalipta que é, ele utiliza as cintilações alheias para iluminar a sua senda de aflição e esperança. A grande esperança dos cristãos dá a medida do seu total desespero.

Isto começou, no entanto, antes dos cristãos. O Apocalipse é uma estranha forma de literatura judaica e judaica-cristã. Uma nova forma que surgiu por volta do ano 200 a. c., na altura em que os profetas já estavam extintos. Um dos primeiros Apocalipses é o livro de Daniel, pelo menos na última parte; outro é o Apocalipse de Enoch, cujas partes mais antigas são atribuídas ao século II a. C.

Os Judeus, o Povo Eleito, sempre se viram como um grande povo imperial. Tentaram sê-lo e tiveram um desastroso desaire. Desistiram. Depois de destruídos, deixaram de imaginar um grande e natural império judaico. Os profetas calaram-se para sempre. Os Judeus fizeram-se um povo com destino adiado. E os seus videntes começaram a escrever Apocalipses.

Os seus videntes tinham de enfrentar essa tal história do destino adiado. Já se não tratava de uma questão de profecia: era uma questão de visão. Deus já não voltaria a contar ao servo o que ia acontecer porque o que ia acontecer era quase incontável.

<< Página Anterior

pág. 47 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Apocalipse
Páginas: 180
Página atual: 47

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 4
Capítulo 3 14
Capítulo 4 18
Capítulo 5 27
Capítulo 6 33
Capítulo 7 46
Capítulo 8 69
Capítulo 9 75
Capítulo 10 77
Capítulo 11 89
Capítulo 12 99
Capítulo 13 102
Capítulo 14 107
Capítulo 15 112
Capítulo 16 122
Capítulo 17 128
Capítulo 18 143
Capítulo 19 149
Capítulo 20 155
Capítulo 21 160
Capítulo 22 161
Capítulo 23 162
Capítulo 24 170
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site