Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 21: XXI

Página 139
XXI

Cumprindo a promessa, que tinha feito a Joana, foi o novo clínico fazer a sua segunda visita.

O leitor deve estar lembrado de que o doente era o nosso já conhecido João da Esquina, ou, pelo menos, alguém da sua respeitável família.

Ao apresentar-se em lugar de João Semana, Daniel foi recebido com uma visagem, pouco lisonjeira, do dono da casa, impressionado ainda talvez com as revolucionárias, e em nada tranquilizadoras, opiniões médicas, que conhecia no seu vizinho.

- Então como é isto? É o senhor que vem?... - dizia o homem, meio desconfiado, e como hesitante em entregar-se aos cuidados da medicina nova.

- É verdade; sou eu - respondeu-lhe Daniel. - O João Semana não podia hoje vir para estes sítios e, como lhe lembrou que talvez fosse de pressa a doença...

Um sorriso encrespou os lábios do tendeiro.

- A doença?! Ah!... Então nós sempre temos doenças?! - perguntou o Sr. João da Esquina, com certo ar de finura triunfante.

- Pois que dúvida? - disse Daniel muito longe de suspeitar o sentido oculto da interrogação. - Não mandou chamar um médico?

É provável que não seja para o consultar sobre alguma demanda.

João da Esquina meneava a cabeça com ar de satisfação.

- Portanto segue-se que temos doenças? Bem, bem.

- Mal, mal - emendou Daniel, sorrindo.

- Eu cá me entendo. Afinal há-de vir para o bom caminho, e no mais também; se Deus quiser.

- No mais? - repetia Daniel, sem entender o anfiguri.

- No mais, sim, no mais. Ora diga-me - continuou ele, tomando Daniel de parte e falando-lhe quase ao ouvido – parece-lhe que eu sou algum macaco?

O filho de José das Dornas olhou espantado para o seu interlocutor, e principiou a suspeitar que a moléstia, que exigia os cuidados do médico, era desarranjo intelectual.

<< Página Anterior

pág. 139 (Capítulo 21)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Pupilas do Senhor Reitor
Páginas: 332
Página atual: 139

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 6
III 12
IV 16
V 25
VI 31
VII 35
VIII 43
IX 52
X 59
XI 65
XII 74
XIII 81
XIV 88
XV 95
XVI 102
XVII 109
XVIII 119
XIX 127
XX 134
XXI 139
XXII 147
XXIII 153
XXIV 161
XXV 170
XXVI 179
XXVII 187
XXVIII 192
XXIX 198
XXX 212
XXXI 219
XXXII 225
XXXIII 232
XXXIV 240
XXXV 247
XXXVI 256
XXXVII 261
XXXVIII 271
XXXIX 280
XL 296
XLI 306
XLII 316
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site