Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 38: XXXVIII

Página 271
XXXVIII

- Chegou talvez para mim o momento do castigo - murmurou Daniel, passado algum tempo, depois de Margarida se retirar.

- Que está a dizer? - perguntou o reitor, olhando-o admirado.

- Que talvez àquelas mãos, das quais até hoje só tem saído o bem, vá Deus confiar a arma duma vingança cruel.

- De que maneira?

- Pois não ouviu a firmeza daquela resposta?

- E então?

- E então! É que eu tenho o pressentimento de que, se um dia se atear a mim uma paixão violenta e fatal e tiver de ser repelida assim, sucumbirá com ela este coração.

- Ora adeus! Sabe os objectos que se partem, batendo de encontro às rochas? São os fortes e rijos; porque os outros, os moles, o mais que podem é tomar nova forma; quebrar é que não quebram; e o seu coração é dumas branduras!

- Reconheço que o meu passado não me dá o direito de ofender- me da ironia; custa-me até entrar de novo em justificações, que só me valem sorrisos, mas...

- Mas, ainda assim, sempre vai tentar mais uma vez - disse o reitor, sorrindo. - Ora ande lá.

- Ouça-me. É uma triste confissão para o meu orgulho, a que vou fazer, mas é verdadeira. Há muito que tenho este pensamento; até no tempo em que mais procurava evitá-lo, ele me acudia. É por certo arriscado para qualquer mulher confiar de mim o seu amor, menos num caso, que até aqui se não dera ainda comigo.

- Então, qual é esse caso?

- É se ela conseguir dominar-me; se a meus olhos se conservar sempre a altura, que dê à paixão, que me inspirar, a natureza dum culto. Há caracteres para os quais é isto necessidade. De ordinário, todos os meus esforços são despojar desse prestígio, que me enleia, a mulher a quem amo; porém, desde que o consigo, já não respondo por mim. Sei-o por experiência.

<< Página Anterior

pág. 271 (Capítulo 38)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Pupilas do Senhor Reitor
Páginas: 332
Página atual: 271

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 6
III 12
IV 16
V 25
VI 31
VII 35
VIII 43
IX 52
X 59
XI 65
XII 74
XIII 81
XIV 88
XV 95
XVI 102
XVII 109
XVIII 119
XIX 127
XX 134
XXI 139
XXII 147
XXIII 153
XXIV 161
XXV 170
XXVI 179
XXVII 187
XXVIII 192
XXIX 198
XXX 212
XXXI 219
XXXII 225
XXXIII 232
XXXIV 240
XXXV 247
XXXVI 256
XXXVII 261
XXXVIII 271
XXXIX 280
XL 296
XLI 306
XLII 316
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site