Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 23: XXIII

Página 153
XXIII

Tomando certos ares de gravidade e de importância, em grande parte devidos a uns estupendos colarinhos, engomado acessório daquele vestuário típico, dobrou o Sr. João da Esquina a esquina, donde lhe vinha o nome, e atravessando a rua adjacente, caminhou em direcção à casa de José das Dornas.

Ao entrar o portão do lavrador, deu o tendeiro ao rosto um jeito de indignação e procurou simular em seus movimentos uma impetuosidade e impaciência, contra as quais estava protestando aquele todo bonacheirão.

- Diga ao Sr. José das Dornas que está aqui o João da Esquina, que lhe quer duas palavras - foi como, em tom desabrido, ele se mandou anunciar pelo primeiro criado que viu.

José das Dornas, que acabara de dormir uma sesta refociladora, veio ter com o seu vizinho, com rosto alegre e cantarolando:


Ai, la ri ló lé la,
Eu vou pela mansidão.

- Olá - bradou o jovial lavrador, vendo o tendeiro. - Viva o Sr. João! Ditosos olhos que o vêem! Como vai essa bizarria? Sente- -se; esteja a seu gosto. Vai um copito do rascante?

- Muito obrigado - respondeu secamente João da Esquina.

- Pois mal sabe o que perde; é daquele de esfolar o céu da boca. Então que milagre o traz por esta sua casa?

- Um negócio muito sério.

- Temos empréstimo - disse, em aparte, José das Dornas; e alto: - Muito sério?! O caso é que você traz cara de funeral. Ah! ah!...

- Tenho pouca vontade de rir, Sr. José.

- Mau é isso. Então que diabo o aflige? Desembuche para aí.

Olhe que eu sou homem para as ocasiões. A sua filha está pior?

- A minha filha está boa - replicou, com certo mau modo, o tendeiro.

- Boa! Com que então... logo à primeira... hem? O meu Daniel saiu-se como um homem!

- Saiu-se optimamente - disse João da Esquina, de uma maneira, que procurou fazer notável.

<< Página Anterior

pág. 153 (Capítulo 23)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro As Pupilas do Senhor Reitor
Páginas: 332
Página atual: 153

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I 1
II 6
III 12
IV 16
V 25
VI 31
VII 35
VIII 43
IX 52
X 59
XI 65
XII 74
XIII 81
XIV 88
XV 95
XVI 102
XVII 109
XVIII 119
XIX 127
XX 134
XXI 139
XXII 147
XXIII 153
XXIV 161
XXV 170
XXVI 179
XXVII 187
XXVIII 192
XXIX 198
XXX 212
XXXI 219
XXXII 225
XXXIII 232
XXXIV 240
XXXV 247
XXXVI 256
XXXVII 261
XXXVIII 271
XXXIX 280
XL 296
XLI 306
XLII 316
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site