Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 1: I - OS JUDAS

Página 1
I - OS JUDAS

O Outono, de 1803 foi um dos mais belos do primeiro quartel desse século a que chamamos do Império. Em Outubro tinham caído algumas chuvas que refrescaram os prados; em meados de Novembro as árvores ainda estavam verdes e cobertas de folhas. Eis por que o povo começava a estabelecer entre o céu e Bonaparte, então proclamado-cônsul vitalício. um acordo a que este homem ficou a dever um dos seus mais salientes prestígios; e, coisa estranha!, no dia em que, em 1812, lhe faltou o sol, as suas prosperidades desvaneceram-se.

No dia 15 de Novembro desse ano da graça de 1803, pelas 4 horas da tarde, o sol espargia como que uma poeira' vermelha pelos cumes centenários de quatro renques de olmos de uma longa avenida senhorial; resplandeciam o saibro e os tufos de erva de uma dessas imensas rotundas frequentes no campo, onde outrora a terra era tão barata que a cada passo a sacrificavam à mera decoração. Tão puro estava o ar e a atmosfera tão macia que qualquer família podia tomar o fresco como em pleno Verão.

Um homem de jaqueta de caça de cotim verde, botões verdes e calções da mesma cor, sapatos de solas finas, e grevas de cotim até ao joelho, limpava uma carabina com os cuidados com que costumam dedicar-se a essa operação os caçadores de raça nos seus minutos de ócio. Este homem não tinha bolsa de caça, nem bornal, numa palavra, nenhum desses aprestos que anunciam quer a partida para a caça, quer o regresso dela, e duas mulheres, sentadas a pequena distância, olhavam para ele, dir-se-ia com um terror mal disfarçado.

Quem quer que pudesse observar a cena, escondido numa moita, não deixaria de estremecer como estremeciam a velha sogra e a mulher daquele homem. Está claro que um caçador não desce a tão minuciosas precauções para matar uma peça de caça, nem tão-pouco usa, no departamento do Aube, uma pesada carabina de estrias.

<< Sinopse

pág. 1 (Capítulo 1)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 1

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site