Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 16: XVI - AS DETENÇÕES

Página 168
XVI - AS DETENÇÕES

Bastara Laurence dizer a Marta, a Catarina e aos Durieu que não saíssem do castelo nem olhassem lá para fora para ser rigorosamente obedecida. Em cada jornada, os cavalos estacionavam no caminho vão, diante da brecha, e daí, Roberto e Michu, os mais• robustos do grupo, haviam podido transportar, secretamente, os sacos para um subterrâneo situado debaixo da escada da torre chamada da Menina, Ao chegarem ao castelo, pelas cinco horas e meia, os quatro gentis-homens e Michu puseram-se imediatamente a enterrar o oiro. Laurence e os Hauteserre acharam conveniente murar o subterrâneo. Michu encarregou-se da operação, com a ajuda de Gothard, que foi à casa da quinta buscar alguns sacos de gesso que ali haviam ficado na altura das obras, e Marta voltou a casa para dar, em segredo, os sacos a Gothard. A casa construída por Michu ficava na eminência de onde outrora ele descobrira os gendarmes, e para lá se ia pelo caminho vão. Michu, cheio de fome, despachou-se tão depressa que, pelas dezanove horas e meia, já tinha concluída a tarefa. Caminhava em passo ligeiro, para evitar que Gothard lhe trouxesse outro saco de gesso, de que julgara precisar ainda. Já então a sua casa estava cercada pelo guarda-campestre de Cinq-Cygne, o juiz de paz, o seu escrivão e por mais, três gendarmes, que, ao ouvi-lo aproximar-se, se esconderam e o deixaram entrar.

Michu viu Gothard, com um saco ao ombro, e gritou-lhe; de longe:

- Está pronto, pequeno, volta para trás e janta connosco.

Michu, a testa coberta de camarinhas de suor, as roupas sujas de gesso e de pedaços de pedras molares, lodosas, provenientes dos escombros da brecha, entrou muito contente na cozinha da sua casa, onde a mãe de Marta esta serviam a sopa, esperando por ele.

<< Página Anterior

pág. 168 (Capítulo 16)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 168

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site