Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 22: XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS

Página 236
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS

O falecido marquês de Cinq-Cygne empregara as suas economias, bem como as de seu pai e de sua mãe, na aquisição de um magnífico palacete na Rua do Faubourg-du-Roule, compreendido no morgadio considerável instituído para a manutenção do seu pariato. A sórdida economia: do marquês e dos pais, que tantas vezes afligiria Laurence, foi então explicada. Eis, porque, depois desta aquisição, a marquesa, que vivia nas suas terras entesourando para os filhos, com tanto maior gosto se habituou a passar os invernos em Paris quanto era certo que sua filha Berta e seu filho Paulo chegavam à idade em que a educação de ambos exigia os recursos da capital. A Senhora de Cinq-Cygne frequentou pouco a sociedade. O marido não podia ignorar as saudades que viviam no coração daquela mulher; mas, por ela, usou das mais engenhosas delicadezas, e morreu sem ter amado outra mulher na vida. Aquele nobre coração, desconhecido durante algum tempo, mas a quem a generosa filha dos Cinq-Cygne tributou, nos últimos anos tanto amor quanto o que recebia, esse marido foi, por fim, completamente feliz. Laurence vivia sobretudo para as alegrias da família. Nenhuma mulher de Paris foi mais querida de seus amigos, nem mais respeitada. Frequentar a sua casa era uma honra. Meiga, indulgente, espiritual, simples, sobretudo, agradava às almas de escol, atraía, apesar da sua atitude repassada de sofrimento; mas todos pareciam proteger mulher tão forte, e esse sentimento de protecção secreta explica talvez a sedução da sua amizade. Havendo tido uma vida tão dolorosa durante a juventude, é bela e serena no fim da vida. Todos sabem dos seus sofrimentos. Nunca ninguém perguntou quem era o original do retrato de Roberto Lefebvre que, desde a morte do guarda, é o principal e fúnebre orna mento do seu salão.

<< Página Anterior

pág. 236 (Capítulo 22)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 236

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site