Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 19: XIX-OS DEBATES

Página 196
XIX-OS DEBATES

Poucas localidades existem em França onde a justiça recolha das coisas o prestígio que sempre deveria acompanhá-la. Não será ela, depois da religião e da realeza, a máquina de maior vulto das sociedades humanas? Por toda a parte, inc1usivamente em Paris, a mesquinhez do local, a má disposição das instalações e a falta de cenários, no país mais vaidoso e mais teatral em matéria de monumentos que hoje existe à face da terra, apouca a acção deste enorme poder. O aparato é o mesmo em quase todas as cidades. Ao fundo de uma sala quadrada vê-se uma escrivaninha coberta de baeta verde, soerguida num estrado, atrás da qual se assentam os juízes em vulgares cadeiras. À esquerda fica o lugar do acusador público, e desse mesmo, lado, ao longo da parede, uma comprida tribuna guarnecida de assentos destinados aos jurados. Em frente dos jurados alonga-se outra tribuna onde há um banco para os réus e os gendarmes que os escoltam. O escrivão fica na parte inferior do estrado, junto à mesa onde se alinham os elementos indiciadores para a investigação judiciária. Antes da instituição da justiça imperial, o comissário do governo e o director do júri tinham, cada um deles a sua -cadeira e a sua mesa, um à direita, o outro à esquerda da escrivaninha do tribunal. Dois oficiais de diligências volteiam no espaço vago, diante do tribunal, destinado à comparência das testemunhas. Os defensores ocupam lugar por debaixo da tribuna dos acusados. Uma balaustrada de madeira liga as duas tribunas ao outro extremo da sala, formando um recinto vedado onde são colocados bancos para as testemunhas ouvidas e para os curiosos privilegiados. Depois, diante do tribunal, por cima da porta de entrada, existe sempre uma reles tribuna reservada às autoridades e às mulheres do departamento, escolhidas pelo presidente, ao qual pertence a polícia da audiência.

<< Página Anterior

pág. 196 (Capítulo 19)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 196

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site