Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 6: VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO

Página 54
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO

No momento em que Marta, advertida da iminência do perigo, deslizava, com a rapidez de uma sombra, em direcção à brecha indicada por Michu, o salão do castelo de Cinq-Cygne apresentava o mais tranquilo dos espectáculos. Tão longe estavam os seus habitantes de suspeitar a tempestade pronta a cair sobre eles, que a sua atitude despertaria a compaixão de qualquer pessoa posta a par dos acontecimentos.

No alto fogão de sala, ornado de um tremó em que dançavam, por cima do espelho, pastoras de anquinhas, ardia uma dessas fogueiras como só se encontram nos castelos situados na orla das florestas. Ao canto desse fogão, numa grande poltrona quadrada, de madeira doirada, guarnecida de uma magnífico tecido de verde adamascado, estava a jovem condessa, numa atitude de certo modo prostrada, a prostração que provoca um abatimento completo. Tendo regressado, pelas 6 horas, apenas dos confins de Brie, depois de bater a estrada, na vanguarda do grupo, para que os quatro gentis-homens chegassem em segurança ao abrigo onde deviam completar a sua última tirada antes de atingirem Paris, viera encontrar à mesa, no fim do jantar, o Senhor e a Senhora de Hauteserre. Cheia de fome, sentara-se, sem despir sequer a sua amazona coberta de lama e descalçar os borzeguins. Em vez de se despir logo depois do jantar, prostrada por todas aquelas fadigas, deixara descair a bela cabeça, cheia de caracóis loiros, para o espaldar da imensa poltrona, e estendera os pés em cima de um tamborete. O fogo ia secando os salpicos de lama da amazona e dos borzeguins. As luvas, de pele de gamo, o chapeuzinho de castor, o véu verde e o pingalim ainda ali estavam em cima da console para onde ela os atirara.

<< Página Anterior

pág. 54 (Capítulo 6)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 54

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site