Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 8: VIII-UM RECANTO DA FLORESTA

Página 78
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA

Uma brecha tem sempre a sua causa e a sua utilidade. Eis como e porquê fora praticada aquela que se encontra entre a torre, hoje conhecida por da Menina, e as cavalariças.

Desde a sua instalação em Cinq-Cygne o bom do Senhor de Hauteserre fez, de uma longa ravina, por onde as águas da floresta caíam no fosso, um caminho que divide duas grandes toalhas de terra pertencentes à reserva do castelo, no único propósito de aí plantar uma centena de nogueiras que encontrara num viveiro.

Em onze anos essas nogueiras tinham-se feito bastante frondosas e cobriam quase o caminho ladeado já por taludes de seis pés de altura, e através do qual se penetrava numa pequena mata, dos seus trinta arpentos, recentemente adquirida. Uma vez o castelo ocupado de novo, os seus habitantes passaram a preferir atravessar o fosso, para tomarem o caminho comunal que serpenteava ao longo dos muros do parque e levava à quinta, a dar a volta pelo portão. Sem querer, à medida que faziam trânsito por ali, iam os transeuntes alargando a brecha dos dois lados com tanto menor escrúpulo quanto é certo que no século XIX os fossos são inúteis e que inclusivamente o tutor de Laurence muitas vezes falava em tirar partido daquele.

Esta constante demolição produzia terra, saibro e cascalho, detritos que acabaram por encher o fundo do fosso. A água, dominada por essa espécie de calçada, só a cobria nas épocas de grandes chuvas. No entanto, apesar das suas degradações, para que contribuía toda a gente do castelo, inclusivamente a própria condessa, a brecha, era suficientemente escarpada para não ser fácil fazer passar por ela um cavalo e sobretudo levá-lo a entrar por aí no caminho comunal; mas, ao que parece, nas horas de perigo, os cavalos desposam o pensamento dos cavaleiros.

<< Página Anterior

pág. 78 (Capítulo 8)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 78

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site