Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 15: XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV

Página 159
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV

VIOLETTE tratou de informar imediatamente Grévin do seu encontro com Laurence e a fuga da jovem, cujo carácter profundo e decidido era bem conhecido de todos.

- Estava de atalaia - disse Violette.

- Será possível que tenham sido os jovens de Cinq-Cygne, quem fez o assalto? - exclamou Grévin.

- Como? Então o senhor não reconheceu o trangalhadanças do Michu? Foi ele que se atirou a mim! Eu bem lhe senti a força. Aliás, os cinco cavalos eram, sem dúvida nenhuma, os de Cinq-Cygne,

Ao ver a marca das ferraduras dos cavalos no saibro da rotunda e no parque. o notário deixou o guarda-campestre de atalaia àquelas preciosas insígnias, e mandou Violette chamar o juiz de paz de Arcis, para tomar conhecimento delas. Depois, regressou prontamente ao salão de Gondreville onde estavam a chegar o tenente e o alferes de gendarmaria imperial, acompanhados de quatro homens e de um brigadeiro. Esse tenente; como já o adivinharam, era o brigadeiro a quem dois anos antes Francisco esmurrara a " cabeça e ao qual Corentin dera então a conhecer o seu malicioso adversário. Este homem, de nome Giguet, cujo irmão estava no exército e veio a ser um grande coronel de artilharia, recomendava-se pela sua capacidade como oficial da gendarmaria. Mais tarde, veio a comandar o esquadrão de Aube. O alferes de nome Welff, conduzira outrora Corentin de Cinq-Cygne ao pavilhão, e do pavilhão a Troyes. Pelo caminho, o parisiense dissera quanto basta ao egípcio a respeito daquilo a que ele chamou a velhacaria de Laurence e de Michu. Eis porque estes dois oficiais haviam de mostrar, e de facto mostraram, grande ardor na perseguição aos habitantes de Cinq-Cygne, Malin e Grévin tinham trabalhado ambos, um por conta do outro, no Código chamado de Brumário do ano IV, a obra judicial da Convenção, considerada nacional, promulgada pelo Directório.

<< Página Anterior

pág. 159 (Capítulo 15)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 159

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site