Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 13: XIII – UM BOM CONSELHO

Página 140
XIII – UM BOM CONSELHO

Depois de estabelecida a paz entre a França e a Áustria pelos fins de Fevereiro de 1806 um parente que na altura do requerimento de irradiação, se empenhara pelos Senhores de Simeuse, e mais tarde lhes devia vir a testemunhar grandes provas de dedicação, o antigo marquês de Chargeboeuí, cujas propriedades se estendem de Seine-et-Marne a Aube, jornadeou da sua terra para Cinq-Cygne numa espécie de caleche, a que nesse tempo, por zombaria, chamavam «calhambeque». Quando a pobre carripana meteu pelo pátio empedrado, os habitantes do castelo, que estavam a almoçar, desataram todos a rir; mas, ao reconhecerem a calva do velho, que emergiu das cortinas de coiro do «calhambeque», e o Senhor de Hauteserre pronunciou o seu nome, todos se levantaram da mesa para irem ao encontro do chefe da casa de Chargeboeuf.

- É pena que seja ele a aparecer - disse o marquês de Simeuse ao irmão e aos Hauteserre -; nós é que devíamos ter ido agradecer-lhe.

Um criado vestido como qualquer camponês, que guiava o carro, no alto da boleia, junto à caixa, implantou, num canudo de sola grosseira, o chicote de carroceiro, e veio ajudar o marquês a apear-se; mas Adriano e o mais novo dos . Simeuse anteciparam-se-lhe, desabotoaram a porta, que era presa com botões de coiro, e retiraram o bom homem lá de dentro, apesar dos seus protestos. O marquês considerava o seu «calhambeque» amarelo, com porta de coiro, uma carruagem excelente e cómoda. Já então o criado, auxiliado por Gothard, desatrelava és dois pesados ca valas, de garupa luzidia, sem dúvida para todo o serviço, quer para os trabalhos agrícolas, quer para puxar o «calhambeque»,

. - E com este frio? Mas o senhor é um valente dos tempos antigos! - exclamou Laurence ao seu velho parente, a quem deu o braço para o conduzir ao salão.

<< Página Anterior

pág. 140 (Capítulo 13)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 140

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site