Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 10: X - LAURENCE E CORENTIN

Página 104
X - LAURENCE E CORENTIN

Ao ver aquele cofre nas mãos de Corentin a jovem condessa ergueu o pingalim e, rápida, saltou sobre ele, aplicando-lhe nas mãos uma tal chicotada que a caixa caiu no chão; logo ela a apanhou, a atirou para o lume, que ardia no fogão e se instalou diante da lareira, numa atitude ameaçadora, não dando tempo a que os dois agentes emergissem do seu estupor. O desprezo flamejava nos olhos de Laurence, a sua testa pálida e os seus lábios desdenhosos ainda eram maior insulto para aqueles homens que o gesto autocrático que ela, tivera para Corentin, como se ele fosse um animal peçonhento. O pobre do Hauteserre sentiu-se, de súbito, cavaleiro, subiu-lhe o sangue todo à cara, e teve pena de não haver à mão uma espada. Os criados começaram por estremecer de alegria. A vingança tão desejada acabava de fulminar um daqueles homens.

Mas a sua felicidade logo foi repelida para o fundo das suas almas por um pavor medonho: continuavam a ouvir os gendarmes de um lado para o outro lá em cima no sótão.

O espião - substantivo enérgico em que se confundem todos os matizes que caracterizam a gente da polícia, pois o público nunca quis especificar, na língua, os diversos caracteres dos que se ocupam dessa espécie de botica necessária aos governos - o espião, portanto, tem isto de magnífico e de curioso: nunca se zanga; tem a humildade cristã dos padres, seus olhos estão habituados ao desprezo, e opõe-no, do seu lado, como uma barreira, ao povo de idiotas que o não compreendem; tem a fronte de bronze para as injúrias, caminha avante como um animal cuja carapaça sólida não pode ser desmantelada pelo canhão; mas, também, como o animal, mostra-se tanto mais furioso, quando o atingem, quando é certo ter acreditado impenetrável a sua couraça.

<< Página Anterior

pág. 104 (Capítulo 10)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 104

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site