Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 17: XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS

Página 178
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS

Trinta anos decorridos, durante os quais se fizeram três grandes revoluções, só os velhos podem lembrar-se hoje do alvoroço incrível que produziu na Europa o rapto de um senador do Império francês. Nenhum outro processo, a não ser os de Trumeau, merceeiro da praça de Saint-Michel, e o da viúva Morin, no tempo do Império; os de Fualdês e de Castaing, durante a Restauração; os da Senhora Lafarge e de Fieschi, na vigência do actual governo, igualam em interesse e curiosidade o dos jovens acusados do rapto de Malin. Um tal atentado contra um membro do seu Senado excitou a cólera do imperador, a quem informaram da detenção dos delinquentes quase ao mesmo tempo em que o punham ao corrente do delito e dos resultados negativos das buscas realizadas. A floresta, esquadrinhada em todos os sentidos, Aube e os departamentos convizinhos percorridos em toda a sua extensão, não proporcionaram o menor indício da passagem ou do-sequestro do conde de Gondreville. .O juiz supremo, convocado por Napoleão, só apareceu depois de se avistar com o ministro da polícia, e explicou-lhe a posição de Malin, relativamente aos Simeuse. O imperador, então ocupado com assuntos graves, encontrou a solução do caso nos factos anteriores.

- Esses rapazes são doidos - disse ele. - Um jurisconsulto como Malin não pode deixar de revogar actos obtidos pela violência. Vigiem esses fidalgos para vermos o que eles farão para libertar o conde de Gondreville.

Ordenou que se empregasse a maior celeridade no processo, para ele um verdadeiro atentado contra as suas instituições, um fatal exemplo de resistência aos direitos da Revolução, um golpe na grande questão dos bens nacionais e um obstáculo a essa fusão dos partidos; constante preocupação da sua política interna.

<< Página Anterior

pág. 178 (Capítulo 17)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 178

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site