Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 18: XVIII – MARTA COMPROMETIDA

Página 190
XVIII – MARTA COMPROMETIDA

Enquanto os habitantes de Cinq-Cygne guardavam o começo dos debates no tribunal criminal e solicitavam autorização para ver os presos, sem conseguirem obtê-la, no castelo, e no mais profundo segredo, ocorria qualquer coisa da mais alta gravidade. Marta voltara para Cinq-Cygne logo após a sua deposição perante o júri acusador, depoimento de tal forma insignificante que ela nem sequer foi citada pelo acusador público para comparecer perante o tribunal criminal. Como todas as pessoas de uma sensibilidade excessiva, a pobre mulher permanecia sentada no salão, onde fazia companhia à Menina Goujet, num estado de prostração que causava dó. Tanto para ela Como para o cura, de resto, e para todos quantos continuavam a ignorar o que tinham feito os acusados durante todo aquele dia, a sua inocência parecia duvidosa. Às vezes. Marta acreditava que Michu, seus amos e Laurence se haviam vingado do senador. Por de mais sabia a pobre mulher da dedicação de Michu, para acreditar que ele, de todos os acusados, era quem estava em maior perigo, quer em virtude dos antecedentes, quer pelo papel que teria desempenhado na execução. O abade Goujet, a senhora sua irmã e Marta perdiam-se em conjecturas a que esta opinião dava lugar: mas, de tanto meditarem no caso, acabavam por deixar que o espírito se lhes fixasse num sentido qualquer. A dúvida absoluta exigida por Descartes é tão pouco praticável no cérebro do homem como o vazio da Natureza, e a operação espiritual graças à qual aquela se realizasse, tal o efeito da máquina pneumática, constituiria uma situação excepcional e monstruosa. Seja qual for a matéria, sempre o homem crê em qualquer coisa. Ora Marta tinha a tal ponto medo da culpabilidade dos acusados que o seu receio equivalia a uma crença: e esta situação acabou por ser-lhe fatal.

<< Página Anterior

pág. 190 (Capítulo 18)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 190

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site