Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: VII - A VISITA DOMICILIARIA

Página 67
VII - A VISITA DOMICILIARIA

O homem das belas tradições da antiga polícia e Corentin, essa fénix dos espiões cumpriam uma missão secreta. Malin não se enganava atribuindo um duplo papel àqueles dois artistas em farsas trágicas; por isso, talvez, antes de os vermos em acção, convenha que mostremos a cabeça de quem eles eram os braços. Bonaparte, ao tornar-se Primeiro-Cônsul, encontrou Fouché à frente da polícia geral. A Revolução criara francamente e com razão um ministério especial da polícia.

Mas, no seu regresso de Marengo, Bonaparte fundava a prefeitura de polícia, colocava Dubois à sua frente e chamava Fouché para o conselho de Estado, dando-lhe como sucessor no ministério da polícia o convencional Cochon, mais tarde conde de Lapparent. Fouché, que considerava o ministério da polícia o mais importante num governo de vistas largas, de política definida, interpretou como um desaire ou pelo menos como uma prova de desconfiança essa modificação. Reconhecendo, porém, no caso da máquina infernal e da conspiração de que aqui se trata, a superioridade desse grande homem de Estado, Napoleão voltou a dar-lhe o ministério da polícia. Depois, mais tarde, assustado com os talentos que Fouché desenvolvera durante a sua ausência, aquando do caso de Walcheren, o imperador deu esse ministério ao duque de Rovigo, e mandou o duque de Otranto governar as províncias ilírias, verdadeiro exílio.

Esse gênio singular, que provocou em Napoleão uma espécie de terror, não se manifestou subitamente em Fouché. Este obscuro convencional, um dos homens mais extraordinários e mais injustamente julgados daquele tempo, formou-se no meio da tormenta. Durante 0 Directório elevou-se àquela altitude de onde os homens profundos sabem ver o futuro julgando o passado; depois, repentinamente, como certos autores medíocres que se revelam excelentes bafejados por uma inspiração súbita, deu provas de grande argúcia durante a rápida revolução de 18 de Brumário.

<< Página Anterior

pág. 67 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 67

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site