Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 9: IX - DESDITAS DA POLÍCIA

Página 90
IX - DESDITAS DA POLÍCIA

Ao saber que os seus filhos estavam ameaçados de morte, à Senhora de Hauteserre, que não acreditava finda a Revolução e conhecia muito bem a justiça sumária daqueles tempos, recuperou os sentidos e as forças; graças à própria violência da dor que lhos fizera perder. Atraída por uma horrível curiosidade, voltou a descer ao salão, cujo aspecto era agora o de um quadro verdadeiramente digno do pincel de um pintor de estilo. Sentado ainda diante da mesa de jogo, o cura brincava maquinalmente, com as fichas, enquanto, dissimuladamente, observava Peyrade e Corentin, que, de pé, junto ao fogão, falavam em voz baixa. Mais de uma vez o fino olhar de Corentin se encontrou com o olhar não menos fino do abade; mas, como dois adversários que se sentem fortes e que voltam à posição de defesa depois de cruzarem os ferros, uni e outro desviavam prontamente o olhar para outro lado.

O pobre do Senhor de Hauteserre, plantado em cima das suas duas pernas como uma garça-real, conservava-se ao lado do grosso, gordo, grande e avaro Goulard, na atitude em que o prostrara a estupefacção. Embora vestido como um burguês, o maire nunca deixava de ter o aspecto de um criado. Olhavam os dois com um olhar estúpido para os gendarmes, no meio dos quais Gothard continuava a lacrimejar, as mãos vigorosamente amarradas e tão apertadas que pareciam inchadas e roxas. Catarina, essa, mantinha-se numa atitude de simpleza e ingenuidade, sempre impenetrável. O brigadeiro que, segundo Corentin, fizera a tolice de prender os pobres pequenos; não sabia se devia retirar-se se continuar ali. Parecia pensativo no meio do salão, a mão apoiada no punho do sabre e os olhos postos nos dois parisienses. Os Durieu, estupefactos, e toda a demais gente do castelo, formavam um grupo admirável na sua inquietação.

<< Página Anterior

pág. 90 (Capítulo 9)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 90

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site