Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: IV - FORA A MÁSCARA!

Página 35
IV - FORA A MÁSCARA!

Pouco depois regressava Michu a casa, pálido, o rosto contraído.

- Que tens tu? - interrogou-o a mulher, assustada.

- Nada - retorquiu-lhe ele ao ver Violette, cuja presença foi para ele como que um corisco.

Michu pegou numa cadeira, sentou-se diante da lareira e atirou ao lume uma carta que retirou de um desses canudos de lata em que os soldados costumam guardar os papéis. Este seu gesto, que permitiu que Marta respirasse, como uma pessoa a quem acabam de arrancar um grande peso de cima do peito, intrigou muito Violette. O administrador poisou a carabina no pano da chaminé com um admirável sangue-frio. Mariana e Marta fiavam à luz de uma candeia,

- Vamos, Francisco - disse o pai -, são horas de cama... Fazes favor de te deitar!

Pegou brutalmente no filho a meio corpo e arrastou-o consigo.

- Vai ao subterrâneo - disse-lhe ao ouvido- mal chegues à escada, enche duas garrafas de vinho de Mâcon, depois de despejares um terço do líquido, com a aguardente de Cognac que está em cima da garrafeira; em seguida, junta a uma garrafa de vinho branco metade de aguardente. Faz tudo isso como deve ser e põe as três garrafas em cima do barril vazio, à entrada da adega. Quando me vieres abrir a janela sai do subterrâneo, sela o meu cavalo, salta-lhe para cima e espera-me no Poteau-des-Gueux.

- Este maroto nunca quer ir para a cama - disse o administrador, ao voltar à cozinha -; quer imitar as pessoas crescidas: ver tudo, ouvir tudo, saber tudo. Você estraga a minha gente, tio Violette.

- Santo Deus! Santo Deus! - exclamou Violette -; quem é que lhe desatou a língua? Nunca lhe ouvi falar tanto.

- Pois você julga que eu deixo que me espionem sem dar por isso? Você não está do bom lado, tio Violette.

<< Página Anterior

pág. 35 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Um Caso Tenebroso
Páginas: 249
Página atual: 35

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
I - OS JUDAS 1
II – PROJECTO DE UM CRIME 16
III - AS MALÍCIAS DE MALIN 25
IV - FORA A MÁSCARA! 35
V – LAURENCE DE CINQ-CYGNE 43
VI - FISIONOMIAS REALISTAS NO TEMPO DO CONSULADO 54
VII - A VISITA DOMICILIARIA 67
VIII-UM RECANTO DA FLORESTA 78
IX - DESDITAS DA POLÍCIA 90
X - LAURENCE E CORENTIN 104
XI - DESFORRA DA POLÍCIA 117
XII - UM DUPLO E MESMO AMOR 128
XIII – UM BOM CONSELHO 140
XIV -AS CIRCUNSTÂNCIAS DO CASO 151
XV - A JUSTIÇA SEGUNDO O CÓDIGO DE BRUMÁRIO DO ANO IV 159
XVI - AS DETENÇÕES 168
XVII - DÚVIDAS DOS DEFENSORES OFICIOSOS 178
XVIII – MARTA COMPROMETIDA 190
XIX-OS DEBATES 196
XX – HORRÍVEL PERIPÉCIA 212
XXI - O BIVAQUE DO IMPERADOR 222
XXII-DISSIPAM-SE AS TREVAS 236
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site