Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 40: CAPÍTULO VII

Página 217
CAPÍTULO VII

Fui logo para casa, chamei precipitadamente Bety.

- Bety, disse eu fechando a porta do quarto, Bety, depressa, quero dizer-te uma coisa. Não me digas que não…

- Santo Deus! Sossegue, descanse, minha querida menina! Jesus, como vem pálida!

- Bety, é uma coisa irreparável… devia ser. Foi pensada a sangue frio. Vês como estou tranquila, sem exaltação, sem nervos. É uma resolução digna. Bety, não me digas que não!…

- Mas, minha rica senhora…

- Não se podia voltar atrás. Para além do mais, sou feliz assim, tão feliz, tão feliz!

- Bem feliz, ao menos?

- Doidamente. E se não fosse assim, morria…

- Mas então…

- Fugimos amanhã.

Ela estremeceu toda, deitou-me um grande olhar em que apareciam lágrimas, e sufocada, com as mãos juntas:

- E eu?

Atirei-me aos seus braços:

- Pois havias de ficar, Bety? Tu vens connosco, Bety.

E correndo pelo quarto, abria os guarda-vestidos, tirando roupas, batendo as palmas, e gritando:

- Arranja, Bety, arranja tudo. Depressa! Arranja, arranja!

Mandei pôr a caleche. Eram quatro horas. Desci o Chiado. Ia alegre, triunfava: a minha vida aparecia-me, larga, cheia, esplêndida, coberta de luz. Entrei nas modistas, olhei, escolhi, comprei, com impaciências de noiva, e recatos de conspirador. Apertei a mão a algumas amigas.

- Partes? perguntavam-me.

- Para França.

- Com a guerra?

- Não há guerra. E havendo, não é interessante ver matar prussianos?

Á porta do Sasseti, encontrei Carlos Fradique.

- Sabe que parto amanhã? disse-lhe eu.

- Sabe que parto hoje? respondeu-me. Ia lá, apertar-lhe a mão.

- Mas é inesperado isso! vai para França? Para quê?

- Ver os campos de batalha ao luar, ou aos archotes. Deve haver atitudes de mortos muito curiosas.

<< Página Anterior

pág. 217 (Capítulo 40)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Mistério da Estrada de Sintra
Páginas: 245
Página atual: 217

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CARTA AO EDITOR, 1
PRIMEIRA PARTE - EXPOSIÇÃO DO DOUTOR
CAPÍTULO I
5
CAPÍTULO II 10
CAPÍTULO III 14
CAPÍTULO IV 18
CAPÍTULO V 25
CAPÍTULO VI 30
CAPÍTULO VII 37
SEGUNDA PARTE - INTERVENÇÃO DE Z.
CAPÍTULO I
44
TERCEIRA PARTE - DE F… AO MÉDICO
CAPÍTULO I
50
CAPÍTULO II 56
CAPÍTULO III 60
QUARTA PARTE - NARRATIVA DO MASCARADO ALTO
CAPÍTULO I
79
CAPÍTULO II 85
CAPÍTULO III 91
CAPÍTULO IV 94
CAPÍTULO V 102
CAPÍTULO VI 108
CAPÍTULO VII 113
CAPÍTULO VIII 118
CAPÍTULO IX 123
CAPÍTULO X 125
CAPÍTULO XI 130
CAPÍTULO XII 134
CAPÍTULO XIII 138
CAPÍTULO XIV 143
CAPÍTULO XV 149
QUINTA PARTE - AS REVELAÇÕES DE A. M. C.
CAPÍTULO I
154
CAPÍTULO II 163
CAPÍTULO III 165
CAPÍTULO IV 170
CAPÍTULO V 182
CAPÍTULO VI 187
SEXTA PARTE - A CONFISSÃO DELA
CAPÍTULO I
190
CAPÍTULO II 195
CAPÍTULO III 197
CAPÍTULO IV 204
CAPÍTULO V 208
CAPÍTULO VI 213
CAPÍTULO VII 217
CAPÍTULO VIII 221
CAPÍTULO IX 226
CAPÍTULO X 231
SÉTIMA PARTE - CONCLUEM AS REVELAÇÕES DE A. M. C.
CAPÍTULO I
236
CAPÍTULO II 240
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site