Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 16: CAPÍTULO IV

Página 94
CAPÍTULO IV

D. Nicazio Puebla, que o Purser me apresentara já, viera fumar para o pé de mim.

- Esteve na India, Cabalero? perguntei-lhe eu.

- Dois anos, em Calcutá. Foi lá que conheci o capitão Ritmel.

Convivíamos muito. Jantávamos sempre juntos. Fui à caça do tigre com ele.

Cacei o tigre. Deve ir a Calcutá! Que palácios! Que fabricas!

- O capitão é um valente oficial.

- É alegre. O que nós riamos! E bravo, então! Se lhe parece! Salvou-me a vida.

- Nalguma caçada.

- Eu lhe conto.

Tínhamo-nos aproximado da pôpa, falando. Neste momento vi eu a espanhola encaminhar-se para o lugar em que a condessa falava com Ritmel, e com uma resolução atrevida, a voz altiva, dizer-lhe:

- Capitão, tem a bondade, dá-me uma palavra?

A condessa fez-se muito pálida. O capitão teve um movimento colérico, mas ergueu-se e seguiu a espanhola.

Eu aproximei-me da condessa.

- Quem é esta mulher? Que quer?… disse-me ela toda trémula.

Eu sosseguei-a e dirigi-me a D. Nicazio.

- Viu aquele movimento da sua mulher?

- Vi.

- É inconveniente: e o cavalheiro responde decerto pelas fantasias ou pelos hábitos daquela senhora…

- Eu! gritou o espanhol, eu não respondo por coisa alguma. O senhor que quer? É um monstro essa mulher! Livre-me dela, se pôde! Olhe: quere-a o senhor? Guarde-a. Está sempre a fazer destas Cenas! E não lhe posso fazer uma observação! É uma fúria, usa punhal!

- Esta mulher, fui eu dizer à condessa, é uma criatura sem consideração e parece que sem dignidade. Não a olhe, não a escute, não a perceba, não a pressinta. Se houver outra inconveniência eu dirijo-me ao comandante, como se ela fosse um grumete insolente. É pena… é terrivelmente linda!

A espanhola no entanto, junto da amurada, falava violentamente ao capitão Ritmel que a escutava frio, impassível, com os olhos no chão.

<< Página Anterior

pág. 94 (Capítulo 16)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro O Mistério da Estrada de Sintra
Páginas: 245
Página atual: 94

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
CARTA AO EDITOR, 1
PRIMEIRA PARTE - EXPOSIÇÃO DO DOUTOR
CAPÍTULO I
5
CAPÍTULO II 10
CAPÍTULO III 14
CAPÍTULO IV 18
CAPÍTULO V 25
CAPÍTULO VI 30
CAPÍTULO VII 37
SEGUNDA PARTE - INTERVENÇÃO DE Z.
CAPÍTULO I
44
TERCEIRA PARTE - DE F… AO MÉDICO
CAPÍTULO I
50
CAPÍTULO II 56
CAPÍTULO III 60
QUARTA PARTE - NARRATIVA DO MASCARADO ALTO
CAPÍTULO I
79
CAPÍTULO II 85
CAPÍTULO III 91
CAPÍTULO IV 94
CAPÍTULO V 102
CAPÍTULO VI 108
CAPÍTULO VII 113
CAPÍTULO VIII 118
CAPÍTULO IX 123
CAPÍTULO X 125
CAPÍTULO XI 130
CAPÍTULO XII 134
CAPÍTULO XIII 138
CAPÍTULO XIV 143
CAPÍTULO XV 149
QUINTA PARTE - AS REVELAÇÕES DE A. M. C.
CAPÍTULO I
154
CAPÍTULO II 163
CAPÍTULO III 165
CAPÍTULO IV 170
CAPÍTULO V 182
CAPÍTULO VI 187
SEXTA PARTE - A CONFISSÃO DELA
CAPÍTULO I
190
CAPÍTULO II 195
CAPÍTULO III 197
CAPÍTULO IV 204
CAPÍTULO V 208
CAPÍTULO VI 213
CAPÍTULO VII 217
CAPÍTULO VIII 221
CAPÍTULO IX 226
CAPÍTULO X 231
SÉTIMA PARTE - CONCLUEM AS REVELAÇÕES DE A. M. C.
CAPÍTULO I
236
CAPÍTULO II 240
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site