Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 2: Capítulo 2

Página 10

Lembro-me de tudo ter começado por entre uma sucessão de sobressaltos, enquanto eu pesava ininterruptamente os prós e os contras de semelhante aventura. Nos dias que se seguiram ao último encontro, o sentimento dominante caracterizou-se por um enorme mal-estar, e as dúvidas que me atormentavam diziam-me que acabara de cometer um erro grave. Foi neste estado de espírito que efectuei a viagem dentro da carruagem que não parava de baloiçar e que devia deixar-me na paragem onde um outro veículo, este propriedade do meu novo patrão, se encarregaria de me levar àquele que seria o meu destino. Fui informada de que estava tudo preparado, e, à minha espera, vi um confortável cabriolé. Visto estar um dia maravilhoso, atravessar àquela hora uma região onde imperava a doçura característica do Estio constituiu, sem dúvida, a melhor das recepções, e, quando, depois de uma curva, entramos no caminho principal, a reviravolta emocional que em mim se operou talvez possa funcionar como a prova exacta do estado de desespero em que antes me encontrara mergulhada. É bastante provável que estivesse à espera (ou, pelo menos, assim o receasse) de encontrar algo de tal forma pavoroso e assustador que o cenário que me acolheu se revelou uma excelente surpresa. A fachada da casa, ampla e clara, com as janelas rasgadas e as cortinas brancas, produziu em mim uma impressão assaz agradável, o mesmo se passando com as duas criadas que me olhavam. Recordo ainda o relvado, as flores coloridas, o ruído provocado pelas rodas ao avançar ao longo do carreiro coberto de cascalho, bem como as árvores de copas frondosas por sobre as quais as gralhas voavam em círculos, recortando-se contra a luz dourada do sol. Tratava-se de um cenário de tal forma imponente, que o contraste entre ele e o da casa onde cresci não podia ser maior. Quase no mesmo instante, e trazendo uma rapariguinha pela mão, surgiu à porta uma pessoa de aparência educada, que me saudou com uma vénia por mim considerada digna da dona da casa ou de um qualquer visitante ilustre.

<< Página Anterior

pág. 10 (Capítulo 2)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 10

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site