Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 7: Capítulo 7

Página 45

Claro que seria necessário bastante mais que aquela troca de palavras para colocar-nos frente a frente com aquilo com que seríamos obrigadas a viver: a minha terrível sujeição a situações como as atrás mencionadas e o conhecimento da minha companheira — um conhecimento que era meio consternação, meio compaixão — dessa minha sujeição. Naquela noite, depois de escutar a revelação que me deixara prostrada durante cerca de meia hora, nenhuma de nós teve coragem de percorrer o caminho que nos separava da igreja, e o único serviço a que assistimos foi o das nossas próprias lágrimas e votos, orações e promessas, o ponto culminante de uma série de desafios e compromissos mútuos que efectuamos fechadas na sala de aulas. O resultado desta nossa tentativa de resolução traduziu-se pela redução do imbróglio em que estávamos metidas à forma mais básica dos elementos que o compunham. Mrs. Grose não vira nada, nem a sombra de uma sombra, e, em toda aquela casa, apenas a preceptora vivera semelhante experiência. Contudo, a mulher aceitara aquilo que eu lhe contara sem questionar a minha sanidade mental, o que acabou por funcionar como uma extraordinária prova de afecto, de um respeito que ia para além daquele que era devido à minha situação, facto que ainda hoje recordo com enorme ternura.

Nessa noite, decidimos ambas que as coisas deveriam ser resolvidas apenas entre nós, e, embora ela nada tenha visto, não sei se não era ela quem tinha de arcar com a maior parte do fardo. Soube nessa hora, penso, tudo aquilo que seria capaz de fazer para proteger os meus pupilos; mas demorei algum tempo a compreender até que ponto a minha honesta camarada estava disposta a lutar com vista a cumprir um pacto tão duro como aquele. Eu era uma companhia um pouco estranha — quase tão estranha como a companhia que recebia; mas quando passo em revista aquilo que vivemos, compreendo agora o que representava para nós a certeza de que, juntas, acabaríamos por levar a melhor. Foi essa mesma certeza que, e acho que posso pôr as coisas nestes termos, me levou a abandonar a câmara escura dos meus medos. Senti que estava na hora de respirar um pouco de ar e que Mrs. Grose podia seguir-me o exemplo. Ainda me lembro da força que me invadiu antes de nos separarmos naquela mesma noite.

<< Página Anterior

pág. 45 (Capítulo 7)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 45

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site