Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 25: Capítulo 25

Página 156

Não cheguei a aperceber-me completamente do efeito que as minhas palavras causaram em Miles, já que, durante breves segundos e devido ao que apenas consigo descrever como um desvio abrupto de atenção, levantei-me de um salto e, enquanto procurava apoiar-me no móvel mais próximo, puxei o garoto contra mim, tentando a todo o custo que ele se mantivesse de costas para a janela. Lá estava ela, a aparição que já tivera de enfrentar: qual sentinela de guarda à prisão, Peter Quint encontrava-se do outro lado da vidraça, e o seu rosto pálido, o rosto dos danados, assombrava a sala com o seu brilho espectral. Seria incorrecto dizer que bastou apenas um segundo para saber como agir. Ainda assim, acredito que mulher alguma tenha recuperado de um choque tao grande em tão pouco tempo. Tendo em conta aquilo que se encontrava lá fora, compreendi que o melhor seria evitar a todo o custo que o rapaz visse o mesmo que eu estava a ver. A inspiração — já que é impossível dar-lhe outro nome — consistiu na forma voluntária e extraordinária como eu soube que podia ver. Era como se estivesse a lutar com um demónio pela posse de uma alma humana, e, depois de assim analisar a situação, vi como a alma em causa — segura entre as minhas mãos que tremiam — tinha a testa coberta de finas gotas de suor. Aquele rosto estava tão pálido como o outro, o que se encontrava colado ao vidro, mas, como que para deixar claro perante mim que se tratava de realidades diferentes, do primeiro elevou-se um som. Ao escutá-lo, e embora soasse aos meus ouvidos como se viesse de muito longe, foi como se uma lufada de ar fresco tivesse invadido o aposento.

— Sim... tirei.

Ao ouvir semelhante confissão e soltando um gemido de alívio, apertei-o um pouco mais contra mim. E nesse instante em que senti a agitação febril no seu corpo e a velocidade assustadora a que o seu coração batia percebi que aquela figura junto à janela mudava de posição. Compareiantes a uma sentinela, mas, tendo em conta o modo como se moveu, parecia mais um animal feroz que, de um momento para o outro, se vê surpreendido.

<< Página Anterior

pág. 156 (Capítulo 25)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 156

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site