Procurar livros:
    Procurar
Procurar livro na nossa biblioteca
 
 
Procurar autor
   
Procura por autor
 
marcador
  • Sem marcador definido
Marcador
 
 
 
Navegar

Capítulo 4: Capítulo 4

Página 24

O facto de ela me virar as costas não foi, felizmente, um obstáculo ao crescimento daquilo a que posso chamar um sentimento de estima que acabou por crescer entre nós. Depois de eu chegar a casa na companhia do pequeno Miles, foi com urgência que dela me aproximei, tão estupefacta me sentia ao saber que alguém se atrevera a ditar uma sentença de tal forma monstruosa a uma criança como aquela. Cheguei um pouco atrasada ao local onde devia encontrar-me com ele e, assim que o vi à minha espera, parado frente à porta da estalagem onde o cocheiro o deixara, senti-me invadida por um sentimento de pureza só comparável àquele que de mim se apoderara quando vi a irmã pela primeira vez. O garoto era incrivelmente bonito, e Mrs. Grose acertara em cheio: bastava vê-lo para sermos invadidos por uma ternura de tal forma apaixonada, que tudo o mais deixava de fazer qualquer sentido. Aquilo que de pronto conquistou o meu coraçáo foi algo de divino que não voltei a encontrar (pelo menos ao mesmo nível) em qualquer outra criança: como se tudo o que aquele ser sabia a respeito do mundo se resumisse a amor. Seria impensável que criatura alguma pudesse ser tão doce e inocente e possuir má reputação, dai que, ao regressar a Bly na companhia de Miles, não podia estar mais espantada — já para não dizer indignada — com o conteúdo daquela carta horrível, que eu mesma me encarregara de fechar numa das gavetas do meu quarto. Assim que pude trocar algumas palavras com Mrs. Grose, de pronto declarei que se tratava de uma coisa grotesca.

Ela de imediato me compreendeu.

— Está a falar daquela acusação cruel...?

— E  que não tem a menor consistência! Minha cara senhora, basta olhar para ele!

A mulher sorriu perante a minha pretensão de ter descoberto os encantos do garoto.

— Garanto-lhe, menina, que pouco mais faço para além de olhar para ele! Já agora, que vai dizer-lhes?—tratou ela de acrescentar quase no mesmo instante.

<< Página Anterior

pág. 24 (Capítulo 4)

Página Seguinte >>

anúncio
Capa do livro Calafrio
Páginas: 164
Página atual: 24

 
   
 
   
Os capítulos deste livro:
Capítulo 1 1
Capítulo 2 10
Capítulo 3 16
Capítulo 4 24
Capítulo 5 31
Capítulo 6 38
Capítulo 7 45
Capítulo 8 54
Capítulo 9 61
Capítulo 10 68
Capítulo 11 74
Capítulo 12 80
Capítulo 13 85
Capítulo 14 90
Capítulo 15 96
Capítulo 16 102
Capítulo 17 106
Capítulo 18 111
Capítulo 19 118
Capítulo 20 123
Capítulo 21 128
Capítulo 22 134
Capítulo 23 145
Capítulo 24 150
Capítulo 25 156
Links Relacionados
 
Artigos: Porque lemos literatura | O Ensaio na literatura | O primeiro texto da língua portuguesa 
© 2010 Ciberforma Informática. Todos os direitos reservados. Contacto | Política de privacidade | Mapa do Site